Governo prefere conter inflação que aquecimento global

Entre conter a inflação e combater o aquecimento global, o governo federal escolheu a primeira opção - o que ajuda a explicar o aumento do consumo de gasolina, enquanto as vendas de etanol caem.

MARTA SALOMON E IURI DANTAS, Agência Estado

05 Março 2012 | 08h03

As alíquotas da Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico (Cide), tributo cobrado na venda de combustíveis, são um exemplo disso. Quatro meses atrás, o Ministério da Fazenda reduziu as alíquotas sobre gasolina a menos da metade: de R$ 0,192 por litro para R$ 0,091 por litro. A redução também alcançou o óleo diesel. O custo da decisão em 2012 foi estimado em R$ 1,769 bilhão pelo ministério. Era uma forma de evitar o aumento do preço da gasolina para o consumidor. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
meio ambiente inflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.