Grã-Bretanha faz alerta quando a efeito de cinzas vulcânicas sobre a saúde

População deve ficar em casa se apresentar problemas respiratórios, diz órgão de saúde pública.

BBC Brasil, BBC

16 de abril de 2010 | 17h15

As autoridades de saúde na Grã-Bretanha aconselharam nesta sexta-feira a população a procurar locais fechados se apresentar sintomas de problemas respiratórios por causa da nuvem com cinzas vulcânicas que afeta o país.

O Departamento de Proteção à Saúde (HPA, na sigla em inglês) disse que é pouco provável que uma pequena quantidade de cinzas cause grandes danos à saúde.

No entanto, o órgão alertou que, se as pessoas começarem a sentir sintomas como secreção excessiva no nariz, coceira nos olhos e tosse, elas devem buscar abrigo.

As pessoas com problemas respiratórios crônicos como asma e bronquite têm maior probabilidade de sentir os efeitos das cinzas e não devem esquecer seus medicamentos de costume, advertiu o órgão.

As autoridades fizeram as recomendações depois de notícias de que uma pequena concentração de partículas caiu no solo na Escócia.

Enxofre

A HPA disse ainda que pode existir uma pequena quantidade de dióxido de enxofre na nuvem, mas que não se espera que isso seja um risco para a saúde humana.

Segundo o órgão, se as pessoas sentirem cheiro de enxofre ou de ovo podre, também devem limitar suas atividades ao ar livre.

O Departamento de Proteção a Saúde disse também que quaisquer possíveis efeitos na saúde devidos às cinzas vulcânicas provavelmente serão passageiros.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que não está claro quais exatamente são os riscos da nuvem de cinzas para a saúde, mas os europeus deveriam tentar ficar em ambientes fechados se as cinzas do vulcão começarem a cair sobre a Terra.

Um porta-voz da OMS, David Epstein, disse que a maior parte da nuvem ainda está em uma camada mais alta da atmosfera nesta sexta-feira, mas está sendo monitorada.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.