Grã-Bretanha faz plano de contingência para caso de Escócia se separar, diz dirigente

Faltando nove dias para o referendo sobre independência, as campanhas pró e contra estão disputando palmo a palmo o apoio dos eleitores

REUTERS

09 Setembro 2014 | 07h41

O órgão regulador do mercado financeiro da Grã-Bretanha (FCA) disse nesta terça-feira que elaborou um "planejamento básico de contingência", para o caso de os escoceses votarem este mês pela independência da Escócia.

Mas no caso de a Escócia se separar do Reino Unido, os parlamentares em Edimburgo terão de decidir como seu mercado financeiro será regulado, disse o presidente da Autoridade da Conduta Financeira, John Griffith-Jones.

"Fizemos um planejamento básico de contingência", declarou Griffith-Jones à Comissão de Finanças do Parlamento.

Faltando nove dias para o referendo sobre a independência da Escócia, as campanhas pró e contra estão disputando palmo a palmo o apoio dos eleitores, mas uma pesquisa divulgada nesta terça-feira pelo instituto TNS mostrou um aumento no apoio à separação. Uma outra pesquisa publicada no domingo pelo Sunday Times posicionava pela primeira vez o campo pró-independência na frente.

Os planos da FCA incluem "certificar-se de que as linhas telefônicas estejam devidamente operadas para quando as pessoas ligarem ... certificar-nos de que temos uma posição quanto a que conselho seria apropriado dar no dia, quando os consumidores perguntam o que deveriam fazer", afirmou Griffith-Jones.

Entrar nos detalhes provavelmente "vai ser complicado", acrescentou

(Reportagem de Huw Jones e Li-mei Hoang)

Mais conteúdo sobre:
GRABRETANHAESCCIACONTINGENCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.