Grã-Bretanha prende ex-detidos em Guantánamo

Um palestino, um líbio e um argelino foram presos na volta ao Reino Unido, onde residiam.

BBC Brasil, BBC

19 de dezembro de 2007 | 19h55

Três moradores da Grã-Bretanha que estavam presos no centro de detenção americano de Guantánamo, em Cuba, foram detidos nesta quarta-feira ao voltarem para o Reino Unido.O líbio Omar Deghayes e o argelino Abdenour Samuer foram presos com base na lei antiterrorismo britânica ao desembarcarem no aeroporto de Luton, ao norte de Londres.O palestino Jamil el-Banna também foi detido e está sendo questionado pela polícia do aeroporto.El-Banna é acusado pelos americanos de trabalhar como recrutador e financiador da Al-Qaeda. Deghayes é acusado de associação com a rede extremista, e Sameur é apontado como um combatente da Al-Qaeda no Afeganistão.Uma nota oficial do Ministério britânico do Interior afirma que os Estados Unidos concordaram em libertar os três ex-moradores da Grã-Bretanha no dia 10 deste mês."Isso não significa que há um compromisso por nossa parte para que eles possam continuar permanentemente na Grã-Bretanha, e o status de imigração deles será revisto imediatamente após o seu retorno", diz a nota.O advogado dos três, Clive Stafford-Smith, disse que seus clientes "decidiram voluntariamente concordar com as medidas de segurança pedidas pelo governo britânico".Outro residente na Grã-Bretanha que estava em Guantánamo, Shaker Abdur-Raheem Aamer, deve voltar direto para Arábia Saudita, seu país natal.Binyam Mohammed, um ex-morador do Reino Unido nascido na Etiópia, continua na prisão americana. O governo americano diz que todos os cinco ex-residentes da Grã-Bretanha são perigosos.Também nesta quarta-feira, cinco franceses que estavam presos no centro de detenção de Guantánamo, base militar americana em Cuba, foram condenados por um tribunal em Paris pela acusação de ligações com terrorismo.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.