Grão-duque de Luxemburgo se nega a legalizar eutanásia

Decisão levou o governo a anunciar que modificará a Constituição para diminuir os poderes do chefe de Estado

Efe

02 Dezembro 2008 | 21h56

O grão-duque de Luxemburgo se negou hoje a assinar uma lei que legaliza a eutanásia, o que levou o Governo a anunciar que vai modificar a Constituição para diminuir os poderes do chefe de Estado, informou a emissora RTBF.   Veja também: Parlamento francês nega legalização da eutanásia  Corte européia rejeita protestos contra eutanásia de italiana   Henri de Luxemburgo invocou "razões de consciência" para justificar sua recusa em sancionar o texto aprovado pelo Parlamento luxemburguês em fevereiro, que tornou o país o terceiro da União Européia (UE) a legalizar a eutanásia, após Bélgica e Holanda fazerem o mesmo.   Apesar de a votação ter contado com a oposição do partido do primeiro-ministro luxemburguês, o social-cristão Jean-Claude Juncker, hoje o premier assegurou que o país reduzirá as prerrogativas do grão-duque para "evitar uma crise institucional".   Assim, Juncker explicou que suprimirão o termo "sancionar" do artigo 34 da Constituição, e o substituirão por "promulgar", o que significará que o grão-duque só assinará as leis para que entrem em vigor, ao mesmo tempo em que "se respeita sua opinião".   Henri de Luxemburgo reproduziu a crise originada em 1990 por seu tio, o rei Balduíno da Bélgica, que se negou a assinar o texto aprovado pelo Parlamento sobre a legalização do aborto.   A lei entrou para a história da Bélgica como o primeiro texto que fez um rei renunciar, já que Balduíno abdicou durante um dia e meio e retornou a suas funções quando o novo texto do Código Penal foi sancionado pelo Conselho de Ministros.

Mais conteúdo sobre:
eutanásia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.