Grécia ofusca otimismo com EUA e índice cai

Uma sensação de alívio precário marcou o final da semana de negócios na Bovespa, cujo principal índice fechou perto do zero, com animadores dados de emprego dos EUA sendo ofuscado por um anticlímax da Grécia na renegociação com credores privados.

REUTERS

09 Março 2012 | 19h17

Após idas e vindas, o Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, fechou em baixa de 0,31 por cento, aos 66.703 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 6,53 bilhões de reais.

Pela manhã, a notícia de que o mercado de trabalho nos Estados Unidos abriu 227 mil vagas em fevereiro, fazendo a taxa de desemprego manter-se na mínima em três anos, em 8,3 por cento, injetou otimismo nos mercados.

No melhor momento do dia em Wall Street, o índice S&P 500 flertou com o maior nível em quase quatro anos. Em Wall Street, os índices reduziram as perdas, mas fecharam em leve alta.

À tarde, uma associação do setor de derivativos afirmou que a Grécia provocou um evento de crédito ao utilizar uma legislação que força perdas a todos os credores privados.

A notícia ofuscou o anúncio feito pela manhã, de que concluiu a maior reestruturação de dívida soberana da história, num acordo que incorreu em perdas pesadas por parte de instituições financeiras.

DOMÉSTICO

Os resultados do leilão doméstico de concessões de transmissão impactaram as ações de companhias na disputa. Os consórcios da chinesa State Grid com a Copel venceram a concessão do sistema que ligará as hidrelétricas do rio Teles Pires. A ação desta última caiu 0,57 por cento, a 43,85 reais.

A Eletrobras, que arrematou outros três lotes por meio de suas controladas Furnas, Chesf e Eletronorte, caiu 0,54 por cento, a 25,71 reais.

Já Cemig, derrotada com sua subsidiária Taesa por um dos lotes, viu sua ação subir 3,04 por cento, a 41,37 reais.

Entre as blue chips, o papel preferencial da Petrobras caiu 1,58 por cento, a 23,71 reais, mesmo num dia de valorização das cotações do petróleo no mercado internacional.

Em entrevista ao canal de TV GloboNews, na quinta-feira à noite, a presidente da companhia, Maria das Graças Foster, disse espera que a cotação do petróleo perca força no mercado internacional, o que indicaria não haver necessidade de um reajuste nos preços dos combustíveis no Brasil.

A BM&FBovespa informou pela manhã que o volume médio diário de negócios no segmento Bovespa em fevereiro, de quase 8,3 bilhões de reais, foi recorde.

A partir da próxima segunda-feira os horários de negociação no mercado de ações serão alterados, com início do pregão eletrônico às 10h00 e encerramento às 17h00.

(Por Aluisio Alves)

Mais conteúdo sobre:
BOVESOA FECHA FINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.