Grécia quer libertar quase metade de seus presidiários

Proposta foi apresentada depois de uma greve de fome de dez dias nas cadeias.

Da BBC Brasil, BBC

21 Novembro 2008 | 07h12

O governo da Grécia prometeu soltar quase metade de seus presidiários para ajudar a resolver o problema de superlotação nas cadeias. Um programa de reforma foi apresentado pelo ministro da Justiça ao Parlamento depois de uma greve de fome de dez dias realizada por prisioneiros na maioria das cadeias do país. Segundo o correspondente da BBC em Atenas Malcolm Brabant, ativistas de direitos humanos afirmam que as cadeias da Grécia têm capacidade para abrigar 8 mil detentos, mas têm, no momento, mais de 12 mil. Outra reclamação é que viciados em drogas estão encarcerados em vez de receber tratamento. Pelo programa de reforma, 1.700 presidiários com penas de menos de 5 anos serão soltos imediatamente e outros 3.800 poderão ser soltos até abril do ano que vem. Além disso, o ministro da Justiça prometeu construir três novas cadeias. Um grupo de defesa dos direitos dos presidiários diz que as propostas de reforma não são suficientes, mas o projeto parece ter tido o efeito desejado, já que vários detentos passaram a aceitar comida novamente. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.