Greenhalgh: 'casa de Lancellotti foi invadida duas vezes'

O advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, defensor do padre Julio Lancellotti, disse hoje (05) que a casa do sacerdote na Mooca, zona leste da capital paulista, foi invadida duas vezes em 2006. Ele afirmou suspeitar que as invasões tenham sido praticadas pelo bando acusado de achacar seu cliente. Na última, no fim do ano, os invasores agrediram a sobrinha e a mãe do padre, Vilma, de 84 anos, além de intimidá-lo.Nesse episódio, o grupo, que estava armado, ficou 45 minutos no local. Os criminosos saíam pela porta da frente, tranqüilamente, quando foram vistos pelos vizinhos. Voltaram e fugiram pelos fundos. A vizinhança chamou a polícia. Na outra invasão, em meados de 2006, o grupo também ameaçou o padre e a mãe, segundo Greenhalgh.?Suponho que seja o pessoal da mesma quadrilha, mas não posso afirmar?, disse o advogado, referindo-se ao ex-interno da Febem Anderson Batista, à mulher dele, Conceição Eletério, e aos irmãos Evandro e Everson dos Santos Guimarães, todos presos por extorsão. ?Também acho que não foi feito boletim de ocorrência.?

Agencia Estado

05 de novembro de 2007 | 22h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.