Greve de ônibus em Manaus prejudica 500 mil pessoas

Paralisação foi feita das 4 às 10 horas, período em que 700 ônibus deixaram de circular na cidade

Liége Albuquerque, O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2008 | 17h35

Durou menos de seis horas a greve dos ônibus em Manaus na manhã desta segunda-feira, 1º. Contudo, das 4 até quase 10 horas a capital amazonense ficou paralisada por causa dos mais de 700 ônibus que não circularam. Segundo estimativas do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus, mais de 500 mil pessoas foram prejudicadas com a greve. Já no domingo, 300 ônibus não rodaram na cidade.   Às 9h30 da manhã, uma reunião com empresários e rodoviários deu trégua pelo menos até o dia 10. O sindicato dos donos das empresas de ônibus prometeu pagar o 13º salário integral nesta data, já que o benefício estava atrasado desde novembro. "Além disso, foi prometido começar uma mesa de negociação para o reajuste que os motoristas e cobradores querem, de 7%", afirmou o diretor do Sindicato dos Rodoviários, Gilvancir Oliveira. O salário atual dos motoristas é R$ 1.250,00.   A principal alegação dos empresários para não dar o reajuste rodoviários é o congelamento do preço da passagem de ônibus em R$ 2. O preço seria congelado até o dia 8 de outubro deste ano, prazo definido no edital assinado entre o consórcio Transmanaus e o município no ano passado. A prefeitura comprometeu-se em estudar um possível reajuste ainda este ano.

Mais conteúdo sobre:
transportes ônibus greve Manaus AM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.