Greve e nova medida de Morales acirram divisão na Bolívia

Seis Estados realizaram paralisação contra aprovação de texto da Constituição.

Marcia Carmo, BBC

28 de novembro de 2007 | 22h45

Num dia de greve geral em seis dos nove Estados da Bolívia, o governo do presidente Evo Morales anunciou a aprovação, no Congresso Nacional, de mais uma medida sem a presença da oposição. A medida aprovada nesta quarta-feira, que destina benefício de cerca de R$ 40 para aposentados, pago com recursos dos Estados mais ricos, acirrou a divisão política no país. "Esta lei é promulgada graças à força do povo, à força social que defende igualdade e justiça", disse Morales ao sancionar a lei, diante de uma multidão em frente ao Palácio Presidencial Quemado, em La Paz. Segundo o jornal on line El Deber, de Santa Cruz de la Sierra, setores da oposição argumentaram que não puderam entrar no Congresso para participar da votação porque a casa estava "cercada" por grupos indígenas, simpatizantes de Morales. A decisão ocorreu em meio à paralisação desta quarta-feira, realizada nos seis Estados mais ricos da Bolívia, contra a aprovação do texto geral da Constituição, que ocorreu no sábado, com a ausência da oposição. O fato provocou confrontos no fim de semana entre seguidores e opositores de Morales nas ruas de Sucre, capital de Chuquisaca, deixando quatro mortos e centenas de feridos. Os distúrbios levaram à nova suspensão dos debates sobre a Carta Magna e à decisão dos congressistas, também nesta quarta-feira, de mudar o endereço da Assembléia Constituinte.O argumento, informou a Agência Boliviana de Informação (ABI), seria o de transferir os debates de Sucre para qualquer outro lugar do país, caso a cidade não ofereça "garantias" para aprovação da nova Constituição. Para setores da oposição, como o ex-presidente Jorge Quiroga, do partido de direita Podemos, a nova carta tem o mesmo valor que "papel higiênico usado". Para integrantes do governo Morales, a Constituição, como foi aprovada, é o caminho para a "refundação" da Bolívia, como defende o presidente. Nesta quarta-feira, as divergências foram ressaltadas no país, onde os Estados mais pobres costumam dar apoio explícito à atual gestão, enquanto os Estados mais ricos realizaram a quarta paralisação contra o governo. Nos Estados de Santa Cruz de la Sierra, Tarija, Beni, Cochabamba, Chuquisaca e Pando (que representam cerca de 80% do Produto Interno Bruto do país) a adesão "foi forte e pacífica", segundo os organizadores do protestos. Transportes, escolas e comércio, por exemplo, não funcionaram, informaram os organizadores. Para o governo, como destacou a ABI, a greve não foi pacífica e grupos tentaram "impôr" a paralisação "à força". A ABI afirmou ainda que a União Juvenil Cruzenha (que reúne estudantes opositores a Morales) fechou o trânsito e que os manifestantes "atacaram" os que não aderiram à ordem do Comitê Cívico Pro-Santa Cruz - carro-chefe dos protestos contra Morales neste estado. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.