Greve geral deve afetar mais de um milhão em Manaus

Confirmaram a adesão ao movimento cinco representações sindicais, entre elas CUT e a União Geral dos Trabalhadores (UGT)

Renata Magnenti, especial para a Agência Estado,

10 de julho de 2013 | 17h34

Mais de um milhão de pessoas devem ser afetadas de algum maneira com a greve geral que está marcada para esta quinta-feira, 11, em Manaus. Confirmaram a adesão ao movimento cinco representações sindicais. Industriários, professores, trabalhadores do transporte público, estudantes, entre outros, participarão do Dia Nacional de Luta.

As Centrais dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e Única dos Trabalhadores (CUT), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Força Sindical e Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST) confirmaram que na capital do Amazonas os afiliados e simpatizantes integrarão o movimento.

Transporte. A maior preocupação é quanto ao transporte público na capital amazonense. Nesta terça-feira, 9, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) entrou com uma ação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para impedir que as ações desta quinta-feira prejudiquem o sistema.

De acordo com o departamento jurídico do Sinetram, a ação tem como meta estabelecer o funcionamento operacional de 70% da frota de ônibus. Nesta terça-feira, o presidente do Sindicato dos Rodoviários da capital, Givancir de Oliveira, afirmou que pretende paralisar 70% da frota na cidade.

Mais conteúdo sobre:
ProtestosAM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.