Greve impede que 'Le Monde' chegue às bancas após 32 anos

Funcionários protestam contra demissões; em 1976, jornalistas apoiaram ato de colegas de outro jornal

Efe,

14 de abril de 2008 | 11h32

O jornal francês Le Monde não estará nesta segunda-feira, 14, nas bancas pela segunda vez em sua história, devido à greve em protesto pelo plano de reestruturação da empresa que prevê a demissão de 130 funcionários. Esta será a primeira vez em que o jornal não será publicado por um motivo trabalhista interno, já que em 1976 os funcionários da publicação realizaram um protesto pela situação de seus colegas do jornal France Soir.   Os funcionários do Le Monde são apoiados em seu movimento de protesto por aqueles que trabalham no site da publicação. Além disso, os sindicatos de jornalistas lançaram uma convocação para todos os redatores de Paris compareçam a uma manifestação diante da sede do Le Monde em solidariedade a seus colegas.   Os trabalhadores do jornal protestam pelo plano de reestruturação anunciado na última semana pela direção, que prevê a supressão de 85 postos de jornalistas - um quarto da redação - e de 45 vagas no setor administrativo para enfrentar a dívida da empresa. Além disso, o projeto tem a idéia de vender algumas das filiais do grupo consideradas "deficitárias e não estratégicas".   A direção da empresa afirmou que com este plano economizará 15 milhões de euros em dois anos, o que lhe permitirá encontrar o equilíbrio financeiro em 2009 e entrar em área de lucros a partir de 2010. Os sindicatos se opõem ao plano de venda de filiais e pedem à diretoria que as demissões sejam negociadas.

Tudo o que sabemos sobre:
Le Monde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.