Greve no Canadá afeta 3,2 mil empregados, diz Vale

A Vale confirmou nesta segunda-feira que 3,2 mil empregados sindicalizados de suas operações em Sudbury e Port Colborne, no Canadá, entraram em greve após rejeitarem a proposta da empresa para um novo acordo coletivo com três anos de duração.

REUTERS

13 Julho 2009 | 20h35

Os trabalhadores da mineradora de níquel Sudbury, da Vale Inco --divisão de mineração e processamento de níquel da brasileira Vale,-- recusaram no sábado uma proposta de contrato feita pela companhia e decretaram greve a partir da meia-noite de domingo. O sindicato da categoria afirmou que o objetivo é forçar a empresa a retornar à mesa de negociações.

As negociações entre a Vale Inco e o sindicato não obtiveram êxito na semana passada, já que os dois lados não chegaram a um acordo sobre bônus, pensões e outros assuntos.

A Vale tem cerca de 20 mil empregados no exterior, sendo a maioria da Vale Inco, que opera em diferentes países.

De acordo com comunicado da Vale nesta segunda-feira, em 2008 a produção de níquel refinado proveniente de Sudbury foi de 85.300 toneladas métricas, representando 31 por cento da produção total da Vale. A operação em Port Colborne processa metais do grupo da platina, ouro e prata.

As operações de Sudbury e Port Colborne haviam iniciado uma parada programada no dia 1o de junho, com reinício originalmente previsto para o próximo dia 27, informou a empresa.

(Por Camila Moreira)

Mais conteúdo sobre:
MINERACAO GREVE VALE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.