Greve prejudica atendimento bancário em Porto Alegre

Uma paralisação de vigilantes prejudicou o atendimento de dezenas de agências bancárias de Porto Alegre e região metropolitana nesta quinta-feira. No centro da capital gaúcha, os clientes encontraram algumas portas fechadas, mas puderam fazer as operações disponíveis nos terminais de autoatendimento. Os números são desencontrados.

ELDER OGLIARI, Agência Estado

22 Março 2012 | 20h41

Os sindicatos dos vigilantes e dos bancários calculam que cerca de cem das 450 agências da região deixaram de abrir suas portas, enquanto os bancos não falam em suspensão de atividades, mas admitem que tiveram algumas dificuldades para operar.

Além da greve, centenas de vigilantes fizeram uma passeata pelas ruas centrais de Porto Alegre ao final da manhã. A categoria, que tem piso de R$ 903, quer reajuste salarial de 15%, aumento do adicional de risco de vida dos atuais 20% para 30% e mudança do valor do vale-alimentação, de R$ 8,50 para R$ 15.

As empresas de vigilância oferecem reajuste de 7,08% para os salários, valor de R$ 10 para o vale-alimentação e manutenção do atual porcentual do adicional de risco de vida. Os vigilantes prometem manter a paralisação até sábado e reavaliar a mobilização em assembleia, na segunda-feira.

Mais conteúdo sobre:
greve vigilante banco RS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.