Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

Greves prejudicam 250 mil usuários de ônibus nesta manhã

Funcionários da Itaquera Brasil e da Oak Tree alegam atraso no pagamento de salários e benefícios

GABRIELA VIEIRA, Agência Estado

04 de setembro de 2013 | 09h13

Uma greve dos motoristas e cobradores de ônibus de duas empresas afeta cerca de 250 mil passageiros das zonas leste e oeste de São Paulo na manhã desta quarta-feira, 4. Alegando atraso no pagamento dos salários, os funcionários da empresa Itaquera Brasil, responsável por 24 linhas que atendem a região leste, cruzaram os braços nesta manhã. Já a greve dos trabalhadores da Oak Tree, que atende a zona oeste da cidade, entra no seu quinto dia.

Segundo a São Paulo Transportes (SPTrans), ao menos 230 ônibus deixaram de circular na zona leste, afetando 200 mil usuários. Os grevistas bloquearam uma das garagens da Viação Itaquera, na Estrada do Iguatemi, por volta das 7h. A SPTrans acionou o Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese), mas apenas 65 coletivos atendem cinco das principais linhas paralisadas.

Também pelo atraso no pagamento de salários e benefícios, motoristas e cobradores de nove linhas da Oak Tree deixaram de circular no sábado, 31. Oito linhas operam pelo sistema Paese. A SPTrans estima que a paralisação prejudica, diariamente, cerca de 42 mil usuários.

Os passageiros da linha 3-Vermelha do Metrô, que liga justamente as zonas leste e oeste da capital, também enfrentam reflexo das greves. Nesta manhã, vários usuários reclamavam, pelo Twitter, da demora para embarcar nas estações da linha. A situação ficou ainda mais complicada no início do dia, por volta das 7h, quando a chuva obrigou os trens a circularem em velocidade reduzida. A linha vermelha é a mais movimentada do sistema: a média diária de passageiros é de 1,5 milhão.

Mais conteúdo sobre:
greveônibusSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.