Grevistas aceitam acordo para fim da paralisação na ECT

Os funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), em greve desde segunda-feira, chegaram hoje a um acordo com o Ministério das Comunicações e a direção da empresa para encerrar a paralisação. O acordo ainda será submetido às assembléias nos Estados, mas já foi aprovado em Brasília, que terá a greve suspensa amanhã. A comissão de greve, que vinha negociando com o governo, aceitou a proposta de prorrogar por três meses o pagamento do abono emergencial de 30% sobre os salários. O acerto estabelece que, ao final dos três meses, o abono passará a ser pago como adicional de risco.Segundo a diretora da Federação Nacional dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e Atividades Correlatas (Fentect), Amanda Gomes, que participou da negociação, será instituído grupo com representantes do Ministério das Comunicações, da ECT e dos empregados para discutir o Plano de Cargos e Salários, participação nos lucros e pagamento dos dias parados. O abono emergencial vinha sendo pago desde dezembro e foi suspenso em março, deflagrando o movimento grevista. O abono substituiu o adicional de periculosidade aprovado em lei votada pelo Congresso e vetada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

GERUSA MARQUES, Agencia Estado

02 de abril de 2008 | 16h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.