Grife Daspre deixa prisão e chega à passarela

'Modelos' da Penitenciária do Butantã trocam uniformes por peças criadas pelas colegas

Paulo Saldaña, O Estadao de S.Paulo

10 de março de 2010 | 00h00

ESPECIAL PARA O ESTADO

Sem nervosismo, a paulista Karina Gomes Carvalho, de 23 anos, se diz "solta e leve" para os primeiros passos na passarela. Ser modelo é sonho de criança - ela chegou a fazer um book, mas, sem dinheiro para pagar, não pôde retirar as fotos. Karina estreia hoje no primeiro desfile de moda da grife Daspre.

"Quando fui presa, pensei que nunca mais teria essa chance. Mas aqui percebi que até levo jeito", brinca Karina, detida há 3 anos por tráfico de drogas, mas já no regime semiaberto. "Quem sabe não tem alguém que me vê e se interessa por mim, pelo meu trabalho."

No desfile, marcado para as 13 horas no Pátio do Colégio, centro de São Paulo, além de Karina, outras onze internas da Penitenciária Feminina do Butantã vão trocar uniformes verde e branco por peças criadas por colegas. Até o governador José Serra (PSDB) deve comparecer ao evento, que integra a Exposição Cidadania da Mulher.

A Daspre não tem (ainda) o objetivo de descobrir talentos para o mundo fashion. "Mas como vou mostrar o que a gente faz sem um desfile?", pergunta Lucia Casali, diretora da Fundação de Amparo ao Preso (Funap) - responsável pelo projeto.

Ao todo, 70 presas fazem parte do projeto. "Cada peça que eu faço vai um pedaço de mim", diz Jaqueline da Silva, de 29 anos, que costurava uma bolsa para o desfile, no começo da semana. Ela está presa por assalto há 7 anos - envolveu-se no crime por causa do namorado, motivo comum entre as detentas.

As presas recebem pelo serviço R$ 315 por mês, mais vale-transporte e refeição. Parte do valor é creditado em uma poupança, que elas retiram após cumprir as penas.

O dinheiro das vendas é revertido no projeto, que custa para a Funap cerca de R$ 30 mil por mês. O desfile não custou nada a mais. Para organizar tudo, a fundação procurou faculdades de moda - e nenhuma topou. A produtora Wilma Ferracina Ferrari, com experiência em cerimoniais, cuidou da preparação. "Temos de trabalhar mais com a autoestima delas."

Com sorriso fácil, Patrícia Martins, de 28 anos, está segura. "Vamos provar que, mesmo presas, ainda somos bonitas."

O QUE É

História: Criada em 2008, a grife Daspre é um projeto da Fundação de Amparo ao Preso (Funap), em que as detentas produzem roupas e acessórios. O nome foi inspirado na Daslu e Daspu

Quem: 70 presas das penitenciárias femininas da capital participam. Ganham R$ 350 por mês, mais vale-transporte e refeição

Custos: O projeto custa ao Estado cerca de R$ 20 mil por mês. Em 2009, a Daspre vendeu R$ 100 mil

Divulgação: Além de bazares e da loja, na Rua Dr. Vila Nova, no centro, a Daspre deve lançar um site ainda neste mês

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.