Gripe é razão para evitar Hemisfério Norte, diz médico

Motivo é o inverno na região, que traz maior risco de contrair a doença

Lígia Formenti, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

Quem for ao Hemisfério Norte tem de estar preparado para enfrentar, além do frio, um maior risco de contrair gripe suína. Embora a doença esteja espalhada pelo mundo, em temperaturas mais baixas há maior chance de contaminação. "Nesse aspecto, é um comportamento semelhante ao de qualquer gripe", diz o diretor do Instituto Emílio Ribas, David Uip.

A seus pacientes que estão no chamado grupo de risco, ele recomenda evitar a viagem. Isso inclui gestantes, pessoas que tomam remédios que reduzem a ação do sistema imunológico, portadores de doenças crônicas, cardíacos. Para os demais, a dica é repetir os cuidados adotados no Brasil: evitar levar as mãos aos olhos, nariz e boca; não partilhar objetos pessoais; ao espirrar, usar lenço; lavar mãos com frequência e, quando não for possível, usar álcool gel.

Uip conta que a atenção de especialistas está concentrada em como a epidemia vai se comportar no Hemisfério Norte.

A razão número um é verificar qual será o desempenho da vacina. "O esperado é uma eficácia de 80%," diz. Além disso, infectologistas observarão como vão se comportar pacientes que já tiveram a doença. "Como não há registros de alterações do H1N1, teoricamente eles estão imunizados."

O infectologista afirma que não será montado nenhum sistema especial para um eventual aumento de casos de infecções de brasileiros que retornaram de viagens, porque a estrutura atual seria suficiente.

Agora, a maior preocupação do grupo de Uip é traçar estratégias para o próximo inverno no Brasil. "Temos de fazer um inventário. Ver o que deu certo, identificar os pontos falhos para melhorar o atendimento." Entre as estratégias incorretas, afirma, foi dar muita ênfase ao grupo de pacientes com mais de 65 anos. A Sociedade Brasileira de Infectologia vai desencadear tarefa semelhante. "Vamos fazer uma avaliação de todo o atendimento no País e apresentar resultados para o governo", contou o presidente da sociedade, Juvencio Furtado.

EMERGÊNCIA EM NOVA YORK

O governador do Estado de Nova York, David Peterson, decretou ontem estado de emergência por causa da doença, segundo o site da rede de TV CNN. Nenhum outro órgão de imprensa confirmou a notícia. A CNN afirma que o objetivo da ordem é expandir a categoria de profissionais do sistema de saúde que podem vacinar as pessoas, incluindo dentistas, farmacêuticos e outros ligados à área.

COLABOROU GUSTAVO CHACRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.