Gripe: liminar proíbe aglomeração em bancos de Curitiba

As filas de clientes que normalmente se formam dentro das agências bancárias em Curitiba e região metropolitana mudaram-se para a parte de fora hoje em razão de liminar concedida pela Justiça do Trabalho, a pedido do Ministério Público do Trabalho (MPT). O objetivo é evitar aglomerações como forma de prevenção contra a transmissão do vírus Influenza A (H1N1), conhecida como gripe suína. Pela sentença, somente podem ingressar no banco dez clientes a cada quatro caixas operados por bancários. No caso de atendimento por gerente ou para utilização de caixas eletrônicos, há liberdade de ingresso, desde que não represente aglomeração.

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

10 Agosto 2009 | 15h43

No pedido, o MPT alegou defesa do direito dos trabalhadores de terem acesso às normas de proteção à saúde. A determinação foi dada pela juíza da 7ª Vara do Trabalho, Ana Maria das Graças Veloso, e vale até a próxima segunda-feira. Os bancos acataram a decisão e não devem recorrer. A juíza também determinou que seja facilitado o atendimento médico a empregadas gestantes e funcionários que apresentarem sintomas de gripe. Os bancos terão, ainda, que deixar à disposição dos bancários, trabalhadores terceirizados e clientes álcool gel ou líquido 70%. Para o caso de descumprimento das normas, a Justiça fixou multa diária de R$ 1 mil.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.