Gripe: MPF investiga atendimento em Rio Preto (SP)

O Ministério Público Federal (MPF) em São José do Rio Preto (SP) instaurou na manhã de hoje procedimento administrativo para apurar se a prefeitura tem atuado adequadamente no tratamento de contaminados pelo vírus A (H1N1) e na prevenção da chamada gripe suína. A investigação será conduzida pela procuradora Anna Cláudia Lazzarini, que já enviou ofício sobre a abertura do procedimento à prefeitura da cidade e aos hospitais de São José.

GUSTAVO URIBE, Agencia Estado

30 Julho 2009 | 18h40

A decisão da procuradora em investigar a atuação da prefeitura diante do aumento de casos de gripe A no Estado partiu da notícia de que um morador de uma cidade próxima a Araçatuba (SP) morreu ontem em um hospital em São José do Rio Preto com diagnóstico de gripe suína. O paciente foi internado na instituição de saúde no dia 19 de julho e teria como fatores de risco diabetes e problemas cardíacos. "O município é referência regional em medicina. É importante que haja a apuração das condições locais para combater o vírus H1N1", ressaltou a procuradora. O MPF deu prazo de cinco dias, contados a partir do recebimento do ofício, para que a Prefeitura apresente as informações solicitadas. Os hospitais devem responder aos questionamentos em 48 horas.

A Procuradoria Regional quer ter informações detalhadas sobre a quantidade de medicamento adequado ao tratamento da nova gripe disponível no município. Ela também pediu em ofício que cada órgão envie informações sobre os prazos de validade e o protocolo para a liberação do medicamento, além do número oficial de casos da doença atendidos e o tratamento usado em cada ocasião.

Na tarde de ontem, o MPF no Rio de Janeiro pediu aos hospitais federais da cidade do Rio de Janeiro que ofereçam mais leitos aos pacientes com suspeitas de gripe suína. Se o pedido não for cumprido, os responsáveis poderão responder a uma ação judicial, segundo o MPF.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína MPF SP Rio Preto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.