Gripe suína: País quer discutir antivirais com empresas

O Ministério da Saúde brasileiro quer discutir com as empresas farmacêuticas Roche e GSK o licenciamento voluntário dos medicamentos oseltamivir e zanamivir, antivirais protegidos por patentes no País e que, segundo a Organização Mundial da Saúde, tratariam a gripe suína. A Roche, em razão da ameaça de pandemia de gripe aviária, já vendeu ao Brasil 9 toneladas da matéria-prima de sua droga, o oseltamivir. A discussão agora será sobre como fabricar o produto acabado.

AE, Agencia Estado

11 de maio de 2009 | 07h31

?Nós vamos ter uma conversa com a Roche sobre um conjunto de assuntos, preços, doses, produto acabado, cooperação em termos de licenciamento voluntário. Vamos ter uma conversa ampla. E vamos ter a mesma conversa com a GSK?, disse ao Estado o secretário de Ciência e Tecnologia do ministério, Reinaldo Guimarães. O País já tem 12,5 mil tratamentos com oseltamivir prontos para uso. Um eventual licenciamento voluntário resultaria em transferência da tecnologia de produção das drogas a laboratórios públicos e produção de genéricos, o que reduziria os custos para o Brasil.

A GSK informou que está aberta a conversas e que vai ter uma reunião com o governo. Também a Roche informou estar disposta a negociar e que ?sempre declarou que as patentes não são um impedimento para garantir que haja tratamento disponível?. Enfatizou ainda já ter concedido ?sublicenças? na Índia, China e África do Sul. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.