Grupo acusado de 50 mortes é desmontado no PA

Um grupo de extermínio formado por policiais militares do Pará, que usava viaturas e armas da corporação e teria assassinado 50 pessoas, foi desbaratado ontem pela Polícia Civil durante operação que contou com o apoio da própria Polícia Militar e promotores de Justiça. No total, 24 pessoas já foram presas, entre elas 13 PMs, incluindo um major, que seria o líder do bando. "Eles começaram como justiceiros, matando bandidos. Depois, passaram a matar qualquer pessoa, desde que alguém pagasse", declarou o secretário de Segurança Pública (Segup), Geraldo Araújo.Os presos também são acusados de tráfico de drogas e de armas, cárcere privado, concussão, roubo e formação de quadrilha. As prisões foram efetuadas a partir de denúncias feitas ao serviço disque-denúncia a partir do segundo semestre de 2007. Segundo Araújo, o grupo agiu "violando de morte o estado democrático e de Direito, além do sistema de segurança pública, agindo em nome do Estado do Pará", explicou o secretário. Ele disse que o Estado não tem o menor receio de "cortar a própria carne e expurgar da polícia os maus agentes públicos, submetendo-os à Justiça Criminal".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.