Grupo faz 'manifestação zen' no gramado do Congresso

Diferentemente dos protestos que reuniram multidões barulhentas e indignadas nas últimas semanas, o gramado do Congresso Nacional recebeu na noite desta quarta-feira um grupo de aproximadamente 100 "militantes espiritualistas" num "ato zen". Em posição de lótus, os manifestantes não gritavam, não criticavam ou atacavam os parlamentares, apenas se sentaram diante do Congresso para "emanar" energia positiva e "iluminar" a sabedoria de deputados e senadores.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

10 de julho de 2013 | 20h48

"A ideia é uma meditação, mas não deixa de ser uma manifestação voltada para emanar para o Congresso Nacional luz e sabedoria", explicou o professor de Educação Física, Antônio Carlos Carvalho, um dos participantes do "ato zen". Segundo ele, a manifestação reuniu pessoas de diversas religiões e cada um fez a sua oração pedindo paz e boas decisões para os parlamentares. Uma das poucas faixas utilizadas pelo grupo dizia: "Ofereça seu silêncio, sua meditação e suas orações pela paz e pelas boas e necessárias decisões."

Enquanto os "espiritualistas" se esforçavam para enviar energia positiva para o Congresso, o plenário da Câmara debatia o projeto que destina os recursos dos royalties do petróleo para saúde e educação. Policiais acompanhavam o ato à distância, sabendo que pelo menos nesta noite não havia qualquer risco de invasão do Parlamento.

Mais conteúdo sobre:
protestosCongressozen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.