Grupo ligado à Al Qaeda reivindica responsabilidade por atentado em Beirute

Uma declaração em nome do grupo militante Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), ligado à Al Qaeda, assumiu a responsabilidade neste sábado por um atentado suicida no reduto do Hezbollah no sul de Beirute, que matou pelo menos cinco pessoas há dois dias.

Reuters

04 de janeiro de 2014 | 13h34

A suposta alegação do EIIL, que também alertou sobre novos ataques, foi feita em um comunicado respondendo a uma ofensiva contra o grupo nos últimos dois dias por forças rivais no norte da Síria, com a morte de dezenas de pessoas.

O comunicado disse que os combates na Síria haviam sido lançados num momento em que o Estado Islâmico tinha "violado as fronteiras e penetrado o sistema de segurança do Partido de Satanás no Líbano", uma referência irônica ao Hezbollah, cujo nome significa Partido de Deus, em árabe.

O EIIL disse ter "atingido o reduto na chamada zona de segurança nos subúrbios ao sul de Beirute na quinta-feira ... na primeira e pequena parcela de uma conta pesada que aguarda esses criminosos".

Se confirmada, essa será a primeira vez que o EIIL reivindica a responsabilidade por um ataque em Beirute, que sofreu uma onda de atentados desde o verão passado, principalmente visando o Hezbollah e seus aliados.

(Por Dominic Evans)

Mais conteúdo sobre:
BEIRUTELIBANOATENTADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.