Grupo separatista declara fim do cessar-fogo no Mali

O grupo separatista tuaregue MNLA do Mali afirmou nesta sexta-feira que estava pondo fim a um cessar-fogo acordado com o governo em junho e que pegaria em armas após a violência em Kidal, no norte do país.

Reuters

29 Novembro 2013 | 20h36

A declaração segue uma série de incidentes, incluindo confrontos na quinta-feira entre as tropas do Mali e manifestantes que impediram uma visita do primeiro-ministro ao reduto rebelde de Kidal no mesmo dia. Várias pessoas ficaram feridas, mas houve relatos conflitantes sobre a origem dos ferimentos.

"Os braços político e militar do Azawad (MNLA, MAA e HCUA) declaram o cancelamento do cessar-fogo com o governo central em Bamaco", disse um dos fundadores do MNLA, Attaye Ag Mohamed.

"Todas as nossas posições militares estão em alerta", disse o comunicado, que pediu à comunidade internacional que considere o governo culpado pelas hostilidades da quinta-feira.

O país do oeste africano está em processo de restaurar a democracia depois que um golpe de Estado no ano passado levou islâmicos ligados à Al Qaeda a assumir o controle do norte.

A ofensiva militar liderada pelos franceses derrotou os islâmicos, mas permanece uma tensão entre o governo central e os separatistas tuaregues que exigem uma pátria independente que eles chamam de Azawad. Os dois lados devem iniciar negociações sobre o status da região desértica rebelde.

(Reportagem de Adama Diarra)

Mais conteúdo sobre:
MALIFIMCESSARFOGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.