Guarda Revolucionária do Irã desafia novas sanções dos EUA

Grupo diz que vai defender mais do que nunca ideais da Revolução Iraniana.

BBC Brasil, BBC

26 de outubro de 2007 | 10h30

O chefe da Guarda Revolucionária do Irã, Mohammad Ali Jaafari, disse que o grupo está "mais pronto que nunca" para defender os ideais da Revolução Iraniana.A declaração foi uma resposta às novas sanções anunciadas pelos Estados Unidos na quinta-feira, que atingem o grupo diretamente, ao impor retaliação a qualquer empresa estrangeira que negocie com ele.O governo americano classificou a Guarda como uma organização terrorista.Segundo o correspondente da BBC em Teerã, John Leyne, o grupo controla cerca de 30% da economia iraniana, sendo responsável por contratos de construção civis e pelas operações do novo aeroporto internacional da capital.Para analistas, as restrições poderão prejudicar a já instável economia do Irã.Depois do anúncio das sanções, o vice-secretário de Estado americano, Nicholas Burns, acusou a Rússia e a China de dar apoio e ajuda aos militares iranianos.Em entrevista à BBC, ele disse que o governo russo deveria parar de vender armas ao Irã e que a China deveria suspender investimentos no país."A China hoje é o principal parceiro comercial do Irã. É muito difícil para esses países dizer que nós estamos atacando sozinhos quando eles têm suas próprias políticas militares, dando apoio e ajuda para que o governo iraniano reforce seus próprios militares", afirmou Burns.O vice-secretário disse ainda que, apesar das diferenças com a Rússia e com a China, os Estados Unidos têm esperanças de que o Conselho de Segurança da ONU aprove uma terceira resolução impondo novas sanções ao Irã, em novembro.Ele afirmou esperar que o Irã desista da confrontação e concorde em negociar."Queremos sentar à mesa, queremos uma solução pacífica para esta disputa", disse. "Mas para reforçar a diplomacia, às vezes temos que dar a ela um lado mais duro."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.