Guardas Civis serão treinados para fiscalizar moto aquática em SP

Além disso, qualquer pessoa que quiser pilotar uma embarcação terá de fazer um teste prático

Carolina Marcelino, Agência Estado

18 Março 2012 | 15h03

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, assinou neste domingo um documento em parceria com o 8º Distrito Naval, para intensificar a fiscalização em locais com motos aquáticas. De acordo com o Protocolo de Intenções, a Capitania dos Portos de São Paulo treinará agentes municipais e guardas civis metropolitanos (GCM) para auxiliar no combate a acidentes.

Outra novidade é que a partir de agora, uma pessoa que quiser pilotar uma embarcação terá de fazer um teste prático - antes apenas o teste teórico era obrigatório. Testes com bafômetros e cordas na água para separar o banhista dos barcos são rotineiros, mas que serão intensificados.

De acordo com o vice-almirante Luiz Guilherme Sá de Gusmão, os últimos acidentes que ocorreram com crianças devido ao uso de motos aquáticas aumentou a preocupação das autoridades. "As normas serão aperfeiçoadas e em até 90 dias todas as ações já estarão colocadas em prática", disse Gusmão.

Kassab defendeu que as regras anteriores não podem ser criticadas. "As responsabilidades estavam sendo cumpridas. O que estamos fazendo hoje é apenas um aperfeiçoamento", disse o prefeito. Outra determinação é que a partir de agora, as embarcações terão de ficar pelo menos a 200 metros da margem para garantir a segurança de quem está na água.

O secretario de Coordenação das Subprefeituras, Ronaldo Camargo, explicou que a parceria da Marinha e da Prefeitura será fundamental para garantir a segurança tanto no solo como na água. As ações serão implantadas nas 11 praias da Represa de Guarapiranga, na zona Sul de São Paulo, até junho.

Mais conteúdo sobre:
GCMfiscalizaçãomoto aquática

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.