Guardas florestais do Congo tratam gorila órfã rara

Gorila de dois meses foi baleada na nuca e teve a mãe assassinada

Agencia Estado

12 de junho de 2007 | 05h24

Guardas florestais de um parque nacional na República Democrática do Congo lutam para salvar uma gorila de dois meses encontrada com a mãe morta, que foi baleada na parte de trás da cabeça, informaram ambientalistas no domingo."Ela está mais ou menos bem. É, com certeza, uma situação preocupante, mas não sem esperanças", disse Paulin Ngobobo, funcionário do Parque Nacional Virunga, à Reuters na cidade de Goma, onde ele toma conta do filhote.Ele disse que a gorila-das-montanhas, nascida em 15 de abril e chamada de Ndakasi por ambientalistas, bebe leite em pó de mamadeira. Gorilas-das-montanhas geralmente são amamentados pela mãe até os três anos de idade.Apenas 700 gorilas-das-montanhas sobrevivem em vida selvagem, mais da metade deles em Virunga.Pelo menos dois deles foram mortos e consumidos neste ano por rebeldes vivendo na região, com a batalha das milícias que se arrasta apesar do fim oficial da guerra de cinco anos do Congo em 2003, onde a violência, a fome e doenças mataram cerca de 4 milhões de pessoas.Não ficou claro quem matou a gorila-mãe e qual o motivo. Ela foi morta em "estilo execução" com um tiro na parte de trás da cabeça, e não foi levada para ser consumida, disse Emmanuel de Merode, da entidade de conservação Wildlife Direct."Há milícias aqui. Este incidente em particular foi na área de Mikeno, que fica próxima a fronteira de Ruanda. Houve muita luta naquela área em janeiro, e os problemas não foram totalmente resolvidos", disse.Nos mês passado, rebeldes Mai Mai atacaram postos de patrulhamento no parque de Virunga, matando um guarda florestal e ferindo outros três. Eles ameaçaram abater gorilas se houvesse retaliação dos guardas florestais, disse a Wildlife Direct na época.Mais de 150 guardas florestais foram mortos na última década nos parques congoleses por caçadores, grupos rebeldes, mineiros ilegais e invasores de terra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.