Há 35 anos, uma lição de Ali em Foreman

Duelo histórico em Kinshasa, no Zaire, marcou a vitória da inteligência e habilidade sobre a violência e força

Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

Foi uma luta de boxe que inspirou o livro de um famoso escritor (Norman Mailer) e um documentário ganhador do Oscar (Quando Éramos Reis). O duelo entre Muhammad Ali e George Foreman, em 30 de outubro de 1974, em Kinshasa, no Zaire (atual Congo), foi mais que uma disputa pelo título mundial dos pesos pesados. É o maior exemplo esportivo de que a competência e a determinação, aliadas a uma boa dose de inteligência, podem tornar qualquer resultado possível. A maioria dos especialistas dos Estados Unidos temia pela vida de Ali. Mas o ex-campeão, mais velho (32 anos contra 25), menos pegador (31 nocautes em 44 vitórias contra 37 nocautes em 40 triunfos), porém muito mais esperto, se esquivou dos violentos golpes do rival com maestria, caminhou no ringue como um bailarino e atacou com precisão no momento certo. O nocaute veio aos 2min58 do oitavo assalto, após uma inesquecível aula de Ali, que vencia para os três jurados: 68-66, 70-67 e 69-66 .

blogAcesse o blog do Baldini, veja o vídeo da luta e dê a sua opinião

Ali x Foreman foi o primeiro evento do empresário Don King, que levou a luta para a África, na época sob o regime do ditador Mobutu Sese Seko. O duelo fez parte de um festival de música, que reuniu James Brown, Celia Cruz, Fania All-Stars, B.B. King, Miriam Makeba e The Spinners. Cada lutador recebeu US$ 5 milhões.

Mais de 60 mil torcedores foram ao Stade du 20 Mai e tiveram de esperar até a madrugada, pois o horário foi armado para privilegiar a transmissão para os EUA. O estilo falastrão, político e simpático de Ali ganhou o apoio do público, que não se cansou de gritar "Ali, boma ye" (Ali, mate-o). Sisudo e caladão, Foreman era respeitado, mas não amado pelos africanos.

A luta foi eletrizante desde os primeiros segundos. "Nunca pensei que um punho pudesse carregar tanta potência", afirmou Ali, no livro Sou o mais Poderoso, ao se referir sobre a força de Foreman. "Nunca havia ouvido o som do medo em meu córner", continuou o desafiante, que revelou ter sido atingido com força no segundo assalto. "Minha cabeça vibrava como um diapasão."

O terceiro round era apontado pelos técnicos de Foreman, Sandy Sadller e Archie Moore, como o momento certo para o nocaute. Ele não veio. Pior. Ali não parava de acertar o rosto de Foreman, que demonstrava cansaço. O quinto round foi incrível. A troca de golpes é uma das mais empolgantes da história. Os dois sentiram o castigo, diminuíram o ritmo até a decisão no oitavo. Ali aproveitou um descuido para acertar uma sequência de três fortes golpes. Foreman foi caindo em câmera lenta. Detalhe: Ali poderia ter castigado o adversário, desguarnecido, mas, elegante, deixou o rival desabar na lona. Inesquecível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.