Há mais quantidade que qualidade nas atrações de hoje

Billy Madison - Um Herdeiro Bobalhão

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

14h15 na Record

(Belly Madison). EUA, 1995. Direção de Tamra Davis, com Adam Sandler, Darren McGavin, Bridgette Wilson, Steve Buscemi.

Na recente lista dos dez astros mais poderosos de Hollywood, Adam Sandler ocupa a sexta posição (Angelina Jolie é a número um). Na época do cartaz da Record, ele ainda estava em princípio de carreira, definindo o tipo de herói que o tornou famoso. Billy Madison é o rico herdeiro que leva a vida na farra. Seu pai lhe apresenta um ultimato - ou ele se forma ou será deserdado. Sandler prefere voltar à escola. Dá para rir. Reprise, colorido, 90 min.

Da Magia à Sedução

14h15 no SBT

(Practical Magic). EUA, 1998. Direção de Griffin Dunne, com Sandra Bullock, Nicole Kidman, Aidan Quinn, Stockard Channing, Dianne Wiest, Chloe Webb, Goran Visjnic.

Duas irmãs se unem para vencer maldição que as persegue - desde que uma ancestral foi queimada como feiticeira, todos os homens com os quais elas se envolvem sofrem as consequências. Nicole Kidman e Sandra Bullock estão ótimas, o elenco de apoio ajuda a segurar as pontas. O espectador diverte-se, mas, no limite, o filme é tolo. Reprise, colorido, 95 min.

Nunca Fui Beijada

16h35 na Globo

(Never Been Kissed). EUA, 1999. Direção de Raja Gosnell, com Drew Barrymore, Michael Vartan, Molly Shannon, David Arquette, Leelee Sobieski, Jeremy Jordan.

Drew Barrymore volta à escola e se faz passar por adolescente em busca de informações para uma reportagem. Se você acreditar na premissa inicial - Drew nunca foi beijada! - poderá desfrutar as qualidades do espetáculo. O diretor Gosnell, da série Scooby-Doo, afinal, é bom. Reprise, colorido, 107 min.

Código para o Inferno

21h na Record

(Mercury Rising). EUA, 1998. Direção de Harold Becker, com Bruce Willis, Alec Baldwin, Miko Hughes, Chi McBride, Kim Dickens.

Duro de matar, como sempre, Bruce se enternece ao assumir a defesa de um garoto autista perseguido porque se apropriou inadvertidamente de um código secreto do governo. O diretor Becker, do thriller Vítimas de Uma Paixão, subverte o cinemão de fórmula com toques muito interessantes. A tentativa do herói de se comunicar com o garoto parece sincera. Willis convence. Reprise, colorido, 111 min.

O Preço da Traição

22 h na Bandeirantes

(Mulholland Falls). EUA, 1995. Direção de Lee Tamahori, com Nick Nolte, John Malkovich, Melanie Griffith, Chazz Palminteri, Michael Madsen, Chris Penn, Treat Williams, Jennifer Connelly.

A emissora anuncia de novo o filme que havia programado na semana passada (mas substituiu por outro, à última hora). Existem ecos de Chinatown, de Roman Polanski - até pela época -, na história sobre esquadrão de policiais que vive segundo as próprias regras em Los Angeles. O problema é que seu líder, Nick Nolte, se envolve num caso de assassinato e a tentativa de apagar os vestígios somente agrava as consequências do fato. Muita gente famosa aparece sem crédito (William L. Petersen, Rob Lowe, Louise Fletcher, Bruce Dern, etc.). Reprise, colorido, 104 min.

Um Dia para Relembrar

22 h na Rede Brasil

(Two Bits). EUA, 1995. Direção de James Foley, com Mary Elizabeth Mastrantonio, Al Pacino, Jerry Barrone, Patrick Borriello.

O próprio produtor Joseph Stefano escreveu este filme autobiográfico sobre como foi crescer durante a depressão econômica dos anos 1930. O protagonista é este garoto, filho de uma viúva e neto de um velho que anuncia a todo instante que está morrendo. Muitos momentos belos e sensíveis não chegam a compor uma narrativa coesa. O filme vale mais pelas partes do que pelo todo. Reprise, colorido, 93 min.

Os Normais - O Filme

23h05 na Globo

Brasil, 2003. Direção de Jose Alvarenga Jr., com Luiz Fernando Guimarães, Fernanda Torres, Marisa Orth, Evandro Mesquita.

O primeiro filme da série mostra o início da relação e o casamento de Rui e Vani. Não foi por acaso que fez quase 3 milhões de espectadores nos cinemas. Dá para rir bastante. Fernanda Torres é uma palhaça no melhor sentido da palavra. Reprise, colorido, 88 min.

O Massacre da Serra Elétrica: o Início

23h15 no SBT

(Texas Chainsaw Massacre: The Beginning). EUA , 2006. Direção de Jonathan Liebesman, com Jordana Brewster, Taylor Handley, Diora Baird, R. Lee Ermey.

Em 1974, Tobe Hooper fez seu terror cult sobre grupo que topa com família bizarra e começa o massacre do título. Mais de 30 anos e dois remakes depois, o diretor Liebesman faz a marcha à ré e propõe um recomeço para a história. Dois irmãos (teens) e uma garota vão parar na casa de horrores. Salve-se quem puder - o público, principalmente. Inédito, colorido, 84 min.

É Proibido Beijar

0 h na Cultura

Brasil, 1954. Direção de Ugo Lombardi, com Tônia Carrero, Mário Sérgio, Zbigniew Ziembinski, Otelo Zelloni, Inezita Barroso.

Um dos últimos filmes da Vera Cruz e um grande sucesso pessoal, na época, da estrela Tônia Carrero - que já era uma das mulheres mais belas do Brasil. Mário Sérgio faz cronista social cujo sonho é ser repórter policial. Seu chefe, que não lhe dá atenção, o pauta para entrevistar estrela de Hollywood que está disfarçada no litoral. Mais de 50 anos depois, o filme oferece uma curiosa versão da burguesia paulista no Guarujá, por meio de uma gincana que mobiliza os jovens. Reprise, preto e branco, 80 min.

Rituais do Sexo

1h45 na Band

(Justine - Crazy Love). EUA, 1996. Direção de L. L. Shapira, com Jennifer Behr, Daneen Boone, Timothy Dipri, Kimberly Rowe.

Justine acompanha o professor Robson que procura, na Rússia, valioso cálice que pertenceu ao czar. O problema é que nacionalistas russos também buscam a relíquia. Como sempre no Cine Privê, tudo acaba na cama. Reprise, colorido, 94 min.

Os Três Amigos

2h15 na Rede Brasil

(Three Amigos!). EUA, 1986. Direção de John Landis, com Steve Martin, Chevy Chase, Martin Short, Alfonso Arau, Joe Mantegna.

Astros de westerns, nos primórdios do cinema silencioso, são convidados para ir ao México, para o que eles acham que será uma apresentação - um show -, mas na verdade faz parte de um plano para assaltar vilarejo (como em Sete Homens e Um Destino). O diretor Landis satiriza os códigos do gênero e provoca algumas risadas. Alfonso Arau, que faz o vilão, dirigiu Como Água para Chocolate. Reprise, colorido, 87 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.