Habeas-corpus do casal Nardoni deve ser definido dia 22

Até o momento, 53 pessoas já prestaram depoimento à polícia na investigação da morte de Isabella

CAMILA TUCHLINSKI, ESPECIAL PARA A AE, Agencia Estado

14 de abril de 2008 | 13h58

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) informou que deve julgar, na próxima semana, o mérito do habeas-corpus concedido ao casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, pai e madrasta da menina Isabella Nardoni. Na sexta-feira, o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), Caio Eduardo Canguçu de Almeida, concedeu a liminar.  Veja também:Psicanalista fala sobre a comoção gerada por 'crimes inusitados'Acompanhe a investigação do casoPolícia ouve depoimento de vizinha do casal NardoniPerícia vai pôr casal na cena do crimePolícia já admite pedir prisão preventiva de casalOutros casos de crianças mortas seguem sem solução Crime muda vida de moradores do Edifício London  O mérito será julgado por Canguçu e mais dois desembargadores. Geralmente, o julgamento acontece às terças-feiras, mas o TJ-SP já adiantou que para esta semana estão previstas as análises de outros habeas-corpus.  Caso os outros dois desembargadores votem contra, o casal pode voltar para a cadeia.Nesta manhã, mais dois vizinhos do casal Nardoni prestaram depoimento no 9º Distrito Policial. O depoimento do casal, que também mora no prédio onde a menina Isabella foi encontrada, durou cerca de 2 horas.  A Secretaria de Segurança afirmou que outras testemunhas devem ser ouvidas, mas não confirmou quantas seriam ou para quando estão previstos esses depoimentos. Até o momento, 53 pessoas já prestaram depoimento.  O inquérito, segundo a secretaria, está com três volumes, 600 páginas no total.Isabella, de 5 anos, morreu no dia 29 de março, após cair do 6º andar do prédio onde o pai mora com a mulher e os dois filhos do casal. A Justiça decretou a prisão temporária de Alexandre e Anna Carolina passada em 2 de abril e o casal se apresentou à polícia no dia seguinte.

Mais conteúdo sobre:
caso isabella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.