Hackers fazem novo ataque e tiram site do IBGE do ar

O site do IBGE foi alvo de hackers e ficou fora do ar nesta sexta-feira, em mais uma ação desse tipo contra sites da Internet do governo brasileiro.

REUTERS

24 Junho 2011 | 07h47

A página na Internet do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aparece com o título "IBGE Hackeado - Fail Shell". Logo abaixo, foi publicada uma imagem de um olho humano, nas cores verde, amarelo e azul da bandeira nacional e com a inscrição "Ordem e Progresso".

A página apresenta ainda uma mensagem dizendo que este mês o governo "vivenciará o maior número de ataques de natureza virtual na sua história feito pelo Fail Shell".

Segundo o texto, esses ataques são uma forma de protesto "de um grupo nacionalista que deseja fazer do Brasil um país melhor".

Na quinta-feira, o site da Presidência, que hospeda informações que são públicas e não sigilosas, sofreu "acessos simultâneos" que tiraram o portal do ar. Segundo uma porta-voz do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), a ação não foi para roubar dados.

A Presidência informou ainda que foram feitos serviços de manutenção em alguns sites do governo para deixá-los mais seguros contra acessos de hackers.

A página do Ministério dos Esportes também foi alvo dos ataques e esteve fora do ar por boa parte do dia.

O grupo de hackers denominado LulzSecBrazil afirmou no microblog Twitter na quinta que copiou dados protegidos no site do ministério, mostrando supostas diferenças entre contribuições e recebimentos de dinheiro do governo federal em Estados que serão sede dos jogos da Copa do Mundo, em 2014.

Além disso, o grupo divulgou dados pessoais da presidente Dilma Rousseff e do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.

O mesmo grupo reivindicou na quarta-feira a autoria de um ataque ao site da Petrobras, que ficou fora do ar. O grupo também tentou invadir, sem sucesso, o site da Receita Federal, segundo o governo.

(Por Maria Pia Palermo; Edição de Vanessa Stelzer)

Mais conteúdo sobre:
HACKERSIBGE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.