Haddad comenta exigências de acampados na prefeitura

Ao ser questionado sobre as exigências do grupo de 150 famílias (cerca de 350 pessoas) acampado desde a madrugada desta segunda-feira, 15, em frente à sede da Prefeitura de São Paulo, o prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou que as 55 mil habitações prometidas não são suficientes para atender a demanda e que as moradias não vão só para movimentos sociais. "Temos de ter transparência para destinar as moradias. Não posso destinar as moradias só para as entidades que fazem parte do movimento sem-teto", afirmou.

ARTUR RODRIGUES E GABRIELA VIEIRA, Agência Estado

15 de julho de 2013 | 10h45

Ele afirma estar disposto a conversar com os manifestantes e diz que se reuniu com o movimento de moradia no ano passado. Segundo Haddad, 17 mil habitações estão em fase de construção. "Em julho, vamos doar terrenos para a Caixa Econômica Federal para mais 3 mil", disse o prefeito em Paraisópolis.

De acordo com a Polícia Militar, os manifestantes do Movimento Moradia Casa Dez chegaram ao Viaduto do Chá, no centro da cidade, por volta de 0h30 e montaram barracas no local. Eles reivindicam a construção de moradias populares na cidade.

Resposta

"Não dá mais para esperar o prefeito nos dar uma reposta sobre terrenos que protocolamos há mais de dois meses", diz o movimento em sua página no Facebook. Os manifestantes dizem que permanecerão acampados em frente à Prefeitura até que autoridades recebam as lideranças do movimento. Policias acompanham o ato, que ocorre de forma pacífica.

Mais conteúdo sobre:
protestosSPPrefeitura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.