Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Haddad diz que redução de tarifa foi gesto de 'abertura'

Ao anunciar a redução da tarifa de ônibus, trens e metrô de R$ 3,20 para R$ 3 na segunda-feira, o prefeito Fernando Haddad (PT) falou nesta quarta-feira, 19, da necessidade de sacrificar investimentos e disse que se trata de "um gesto de aproximação, de abertura, de entendimento, de manutenção do espírito de democracia, do convívio pacífico". "Precisamos agora abrir a discussão sobre as consequências da decisão, para hoje e para o futuro", disse o prefeito.

ARTUR RODRIGUES, BRUNO RIBEIRO E CAIO DO VALLE, Agência Estado

20 de junho de 2013 | 08h05

Seis horas antes, ao fazer um balanço dos prejuízos causados ao Edifício Matarazzo, sede do governo municipal, durante a tentativa de invasão na terça-feira, Haddad chegou a dizer que reduzir a tarifa agora seria "dialogar com o populismo".

"As pessoas têm de compreender que essas escolhas são difíceis para o governante, que a coisa mais fácil do mundo é você agradar no curto prazo. É você tomar uma decisão de caráter populista, sem explicar para a sociedade implicações das decisões que você está tomando", afirmou, pela manhã.

Haddad, porém, já havia sido pressionado a ceder pela presidente Dilma Rousseff e pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com quem se reuniu anteontem. O temor era que as manifestações atingissem Dilma, candidata à reeleição em 2014.

Consequências

O impacto econômico da medida ainda precisará ser detalhado nos próximos dias. "Agora, com o orçamento que nós temos, fomos a um patamar de subsídio da ordem de R$ 1,250 bilhão", disse Haddad. Conforme números apresentados anteontem, os R$ 0,20 a menos representam, nas contas dele, um acréscimo de cerca de R$ 200 milhões nos gastos da Prefeitura neste ano.

Já em relação ao Estado, a manutenção da tarifa em R$ 3 exigirá pelo menos R$ 210 milhões/ano em investimentos da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

No plano federal e político, porém, a medida pode ter efeito contrário. No combate à inflação, a revogação do aumento deve render um alívio de pelo menos 0,21 ponto porcentual no índice oficial de inflação, refletindo neste e no próximo mês - como pode ser adotada "em cascata" por outras cidades, o alívio pode ser ainda maior.

Para especialistas ouvidos pela reportagem, a qualidade do serviço de metrô, trem e ônibus se manterá estável. Isso porque os protestos - que ainda mostraram o poder de reunião via redes sociais - tornaram as pessoas mais ciosas da questão e o ônus político de sua deterioração tende a ser cada vez maior. (Colaboraram Carla Araújo e Gustavo Porto). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
protestostarifasSPHaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.