Haddad diz que Sabesp não pediu plano especial de contingência no sambódromo

Ao chegar ao sambódromo do Anhembi para acompanhar o primeiro dia de desfile das escolas de samba de São Paulo, o prefeito da capital, Fernando Haddad (PT), teve de responder sobre o impacto da crise hídrica nas festividades do carnaval da cidade. Haddad repassou a responsabilidade para a Sabesp, mas disse que a companhia não deu avisos sobre a possibilidade de faltar água no sambódromo. "O abastecimento é da Sabesp, mas não houve nenhuma indicação da parte deles (de que vá faltar água)", afirmou.

JOSÉ ROBERTO CASTRO E FELIPE RESK, Estadão Conteúdo

14 Fevereiro 2015 | 01h13

O prefeito elencou ainda as medidas de economia adotadas pela Prefeitura na organização da estrutura para desfile que, segundo ele, são as mesma de outros equipamentos públicos. Neste ponto, Haddad fez uma crítica indireta ao governo estadual, comandado pelo tucano Geraldo Alckmin. "Todos os gestores, desde março do ano passado, recebem comunicados da secretarias de governo para tomarem providências com relação à economia de água. Mesmo no momento em que todos negavam o problema, a prefeitura de SP não negava e tomada as providências devidas", afirmou.

Sobre a reunião de prefeitos que aconteceu nesta sexta-feira, Haddad comemorou o compmomisso do governador de elaborar de um plano de contingência. "Com o plano de contingencia nós vamos poder atuar em colaboração com o governo do estado", disse. Alckmin apareceu de surpresa na manhã desta sexta-feira (13) na primeira reunião do Comitê de Crise Hídrica, formado com prefeitos da Região Metropolitana.

Mais conteúdo sobre:
carnaval Haddad crise hídrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.