Hamilton volta ao ponto mais alto do pódio no Grande Prêmio da China

Lewis Hamilton ajudou a Mercedes a reafirmar seu domínio sobre a Ferrari ao liderar a dobradinha, ao lado do seu companheiro de equipe Nico Rosberg, em uma atuação dominante da equipe alemã no Grande Prêmio da China de Fórmula 1, neste domingo.

REUTERS

12 de abril de 2015 | 10h57

A corrida teve um anti-clímax no seu final, com os carros cruzando a linha de chegada atrás do carro de segurança, mas Hamilton controlou os eventos desde o começo e sempre pareceu próximo da 35ª vitória da carreira e a quarta na China, um recorde estendido.

"Muito bom, Lewis, muito bom. Um fim de semana estelar, conseguiu tudo", disse o engenheiro de Hamilton pelo rádio, depois que o britânico selou seu domínio nos treinos, a pole position, a volta mais rápida e a vitória.

Depois de surpreender a Mercedes com uma vitória brilhante na Malásia no fim de março, Sebastian Vettel ameaçou no começo da corrida com a sua Ferrari, mas, uma vez que os carros colocaram pneus médios para a última perna da prova, o desafio do alemão foi ofuscado.

Um terceiro pódio em três corridas desde que deixou a Red Bull continua sendo um grande resultado, e ele deve ter ficado aliviado quando o motor de Max Verstappen falhou e trouxe o safety car à pista no momento em que o seu companheiro Kimi Raikkonen começava a aparecer no retrovisor.

A segunda vitória em três corridas de Hamilton lhe permite estender a liderança no topo da tabela. O britânico foi a 68 pontos, com Vettel com 55 e Rosberg quatro pontos atrás.

Hamilton agressivamente angulou o seu carro para dentro da pista na largada para cobrir qualquer ataque do seu companheiro de primeira fila Rosberg, e uma vez que as luzes se apagaram, o britânico saiu à frente do companheiro na corrida pela primeira curva.

Vettel protegeu o terceiro lugar atrás das duas Mercedes, mas Raikkonen, que viu outra oportunidade arruinada depois de se classificar em sexto, passou pela Williams de Felipe Massa e Valtteri Bottas para aparecer em quarto.

DISTÂNCIA PARA ATACAR

Apesar da expectativa de que a Mercedes recuperaria seu domínio nas condições mais frescas da China, a Ferrari manteve as Flechas Prateadas atentas na maior parte da prova, quando o circuito estava mais quente, e os carros usavam pneus moles.

Eles ficaram a uma boa distância para dar o bote durante as primeiras voltas, e em certo ponto, depois da primeira rodada de pit stops, pareciam concorrentes genuínos à segunda vitória consecutiva, com Vettel na espreita dos dois carros à frente dele.

O alemão ficou a menos de dois segundos de Rosberg, mas caiu de rendimento quando trocou os compostos mais duros, enquanto a Mercedes vencia a Ferrari nas táticas para evitar ser flanqueada pelos italianos, como aconteceu na Malásia.

A Williams, que perdeu a posição de principal concorrente da Mercedes para a Ferrari, não conseguiu manter o ritmo dos carros italianos uma vez que Raikkonen passou seus pilotos na primeira volta, e Massa e Bottas conseguiram quinto e sexto lugar, respectivamente, sem condições de desafiar os que estavam à frente e bem distantes do restante do grid.

Romain Grosjean teve uma pilotagem segura para conquistar os primeiros pontos da temporada para a Lotus, em sétimo.

A Sauber colocou seus dois carros na zona de pontuação, com Felipe Nasr em oitavo e o sueco Marcus Ericsson fechando o top 10. Entre eles, Daniel Ricciardo, que passou por mais uma corrida frustrante com a sua Red Bull em busca de desempenho.

A McLaren continuou com seus problemas do começo da temporada, com Fernando Alonso uma volta atrás, em 13º, à frente de Jenson Button, que quebrou a asa dianteira enquanto tentava passar Pastor Maldonado, da outra Lotus.

(Por Abhishek Takle)

Tudo o que sabemos sobre:
ESPORTESFORMULA1CHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.