'Havia diversos metais no meu organismo'

Elias Vieira, administrador da Eli Lilly, teve câncer renal

O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2012 | 02h05

Quando o administrador de empresas Elias Soares Vieira, de 47 anos, urinou sangue pela primeira vez, em 2005, logo recordou dos nove anos de trabalho na fábrica da Eli Lilly. Mesmo sem ter manipulado produtos tóxicos na fábrica, ele conseguiu na Justiça do Trabalho relacionar sua doença com a contaminação durante os anos de trabalho administrativo na empresa.

O sangue na urina foi o primeiro indício do câncer renal. Em novembro daquele ano, ele foi submetido a uma cirurgia para retirada do rim direito, como parte do tratamento para conter a doença. "Fui atrás de especialista e descobri no meu organismo metais como chumbo, arsênio, titânio e alumínio", conta. Todas essas substâncias foram identificadas no solo e no lençol freático contaminados da planta onde funcionou a Eli Lilly.

Em 2007, o ex-funcionário foi à Justiça do Trabalho e conseguiu no ano seguinte sua primeira vitória, no Fórum de Paulínia. A empresa foi condenada a pagar plano de saúde e custear todo tratamento. Sem pagar o que havia determinado a ordem judicial, a Eli Lilly foi condenada pouco mais de um ano depois a cumprir as determinações, sob pena de multa de R$ 5 mil por dia de descumprimento. No ano de 2009, o Tribunal de Justiça do Estado manteve em segunda instância a condenação da empresa.

"Esse novo laudo é uma comprovação cabal de tudo aquilo que a Eli Lilly sempre negou. Ela foi responsável, sim, pela contaminação e pelo adoecimento dos ex-funcionários. É importante que a Justiça determine a interdição da área, hoje ocupada por outra indústria, com 300 funcionários", diz Vieira, que se tornou o principal ativista da disputa judicial entre ex-empregados e a empresa. "Ganhei também em Brasília, no TST. Falta só um recurso interno para ela ser condenada em definitivo. Não quero ficar rico com isso, quero a reparação de uma contaminação que pode ter prejudicado a vida de muita gente." / R.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.