HC monitora crianças em busca de longevidade

A vida ainda mal começou para eles, mas pode ser bem diferente da que seus pais tiveram. Quando crescerem, talvez se casem, tenham filhos, que também talvez tenham filhos que farão basicamente as mesmas coisas que eles já fizeram. Para esse grupo de crianças acompanhadas individualmente hoje pelo Instituto da Criança (ICr), do Hospital das Clínicas (HC), em São Paulo, porém, a trajetória repetida geração após geração deve ser percorrida com mais qualidade de vida, menos doenças e por muito mais tempo.Essa é uma das apostas de um projeto que começou há cerca de um ano e meio no instituto, em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e com o Centro de Saúde Escola Samuel Pessoa, no bairro do Butantã. Para isso, as cerca de mil crianças atendidas hoje no centro recebem uma atenção especial. Todas as características da família dos pacientes são avaliadas assim que entram no serviço de saúde pela primeira vez, em um procedimento chamado familiograma. A investigação vai desde as condições em que se deram suas gestações até a situação em que moram com suas famílias.Para os coordenadores do programa, essas crianças irão superar com folgas os atuais 71,3 anos de expectativa de vida dos brasileiros de hoje. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em pouco mais de quatro décadas, teremos uma expectativa de cerca de 81 anos. A intenção dos especialistas ligados ao projeto é mais ambiciosa: vai 20 anos além. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

16 de setembro de 2007 | 09h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.