Heston e o velho novinho em folha

LONDRES: O ano apenas começou e já há novos restaurantes que valem a pena. Programe-se para conhecer os pratos de época revisitados por Heston Blumenthal e Grant Achatz e as tapas de Albert Adrià e de Quique Dacosta

Olívia Fraga,

02 de março de 2011 | 17h28

 

 

Aberto em Londres há um mês, o Dinner, de Heston Blumenthal, é a grande notícia gastronômica de 2011. A crítica inglesa especializada já decretou que esse é o novo melhor restaurante do mundo. Mesa lá? Só em junho.

Vítima de "desassossego", o chef demorou para chegar à capital londrina. Seu premiado Fat Duck, classificado com três estrelas Michelin e 3º melhor restaurante do mundo no ranking da Restaurant, fica em Berkshire, 1h e 15 ao sul de Londres.

Difícil acompanhar o raciocínio desse inglês de 44 anos. Sua mente corre para a frente e para trás na linha do tempo, em eixo único: a alma da cozinha inglesa. Treinado rapidamente na tradição francesa por Raymond Blanc e Marco Pierre White (o homem que fez Gordon Ramsay chorar), Blumenthal hoje é nome de fôlego da "vanguarda da tradição" inglesa, uma turma de cozinheiros midiáticos que cortejam o velho e abraçam o ultramoderno.

Quem lembra das séries de TV que o transformaram em celebridade entende o que está acontecendo no Dinner. Certa vez, Blumenthal preparou na televisão uma ceia de Natal com mirra (sim, aquela resina queimada com incenso na Igreja), sorbet de caviar, geleia de pepino e infusões de âmbar.

O cardápio do Dinner é o aprimoramento das leituras de Blumenthal. O chef foi buscar receitas antigas em museus e bibliotecas. Encontrou um ragu de orelha de porco de 1750; tutano como se preparava em 1720; arroz de açafrão com rabo de bezerro e vinho tinto, datado de 1390. Resultado: o salão de 140 lugares em frente ao Hyde Park já está pequeno para tamanha curiosidade. Oito supercríticos foram vistos na abertura. Alain Ducasse e Daniel Boulud jantaram lá no dia seguinte.

 

 

 

 

Onde fica

DINNER - MANDARIN ORIENTAL HYDE PARK, 66 KNIGHTSBRIDGE, LONDRES, 0/XX/44/20 7 201 3833.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.