Hillary e Obama discutem sobre Nafta e programas de saúde

Pré-candidatos democratas se enfrentam em debate antes de primárias cruciais.

Bruno Garcez, BBC

27 Fevereiro 2008 | 03h05

Os dois pré-candidatos democratas à presidência dos Estados Unidos, a senadora Hillary Clinton e o senador Barack Obama, travaram discussões a respeito de seus programas de saúde e sobre suas visões relativas ao Nafta, o tratado de livre comércio entre Estados Unidos, Canadá e México, durante um debate realizado no Estado de Ohio, nesta terça-feira, e transmitido ao vivo pela rede MSNBC.O debate foi o último a ser realizado entre os dois candidatos antes das primárias dos Estados de Ohio, Texas, Rhode Island e Vermont, no próximo dia 4 de março. A despeito de terem trocado, por vezes, palavras mais duras, o debate acabou não sendo o ''duelo final'' esperado por muitos. O começo da transmissão teve momentos tensos mas, ao final, os dois fecharam o debate de forma amistosa, com elogios mútuos. O debate teve início com a exibição de um clipe que mostrava o último debate entre os dois, no qual Hillary se dizia orgulhosa de estar ao lado de Obama. Em seguida, a emissora mostrou uma aparição da senadora feita dias depois, no qual demonstrava irritação e concluía dizendo: ''Me encontre em Ohio, vamos ter um debate''. Bangue-bangueA convocação de Hillary, que remeteu a um velho western, se referiu a críticas feitas através de um email enviado pela campanha de Obama a seus militantes, sugerindo que o seu programa de saúde obrigaria contribuintes americanos a pagar uma taxa, quer eles pudessem pagar por ela ou não. ''O que eu acho lamentavel é que é como se as companhias de seguro e os republicanos tivessem escrito o texto'', afirmou Hillary.Nas últimas semanas, as campanhas de Hillary e Obama promoveram algumas das mais pesadas trocas de acusações que já mantiveram desde o início da corrida presidencial.Tanto Hillary quanto Obama tiveram de responder a perguntas relativas àquela que foi a polêmica da semana, a divulgação de uma foto de 2006 que mostrava o senador Obama em trajes típicos somalis e trajando um turbante. A campanha do senador acusou os ativistas de Hillary de estarem por trás do vazamento do email. Hillary disse não ter qualquer conhecimento sobre o vazamento ter se dado por seus militantes. ''Que eu saiba, não. Não é o tipo de comportamento que eu aprovo ou espero de alguém da minha campanha'', afirmou Hillary.Obama, quer por estar seguro de um bom resultado no próximo dia 4, quer por altivez ou mesmo por querer evitar o tema, limitou-se a responder: ''Eu acredito na palavra da senadora a respeito da foto, então coloquemos isso de lado''.NaftaPouco depois, eles passaram a uma troca de acusações a respeito do Nafta, o tratado de livre comércio entre Estados Unidos, Canadá e México.Hillary disse ter sido sempre uma crítica do Nafta. O tratado foi uma das prioridades do governo do marido da senadora, o ex-presidente americano Bill Clinton.Obama afirmou que Hillary nem sempre criticou o Nafta e lembrou que ela defendeu o tratado como sendo positivo durante sua campanha para o Senado pelo Estado de Nova York. Obama e Hillary afirmaram que o Nafta precisa ser renegociado. O tratado é um tema delicado para os dois candidatos.Muitos potenciais eleitores em Ohio acreditam que ele provocou perdas de empregos, mas em regiões do Texas, em especial as da fronteira com o México, acredita-se que ele tenha gerado benefícios econômicos. Vencedor(a)Os analistas políticos americanos se dividiram sobre quem teria sido o vencedor do debate. Eles salientaram as diferentes mensagens que cada candidato tentou enfatizar. Hillary procurou enfatizar que é uma ''guerreira'', em defesa de temas como seguro saúde.E Obama procurou salientar que seu dom de oratória e sua ênfase na esperança não estão em contradição com políticas sólidas que ele teria a respeito de diferentes tópicos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.