Hillary tenta recuperar terreno em fim de semana decisivo

Pré-candidata democrata à Casa Branca espera reverter vantagem de Barack Obama.

Da BBC Brasil, BBC

29 Fevereiro 2008 | 20h10

Os pré-candidatos democratas à Presidência dos Estados Unidos Hillary Clinton e Barack Obama se preparam para um fim de semana de intensa campanha eleitoral, às vésperas de prévias que podem decidir quem irá concorrer pelo partido à Casa Branca.Hillary - que está atrás de Obama na contagem de delegados que devem apoiá-la na convenção do partido, em agosto - está buscando formas de frear o trem expresso em que se transformou a campanha do adversário, que venceu as últimas 11 prévias.Nesta sexta-feira, a senadora por Nova York lançou um novo vídeo de propaganda eleitoral em que reforça a mensagem de que Obama não teria a experiência necessária para ser um bom presidente dos Estados Unidos.A pré-candidata também anunciou ter arrecadado US$ 35 milhões em fevereiro - depois de ter sido obrigada, em janeiro, a tirar US$ 5 milhões do próprio bolso para cobrir custos de campanha.Apesar disso, as últimas pesquisas continuam indicando o crescimento de Obama no Texas e em Ohio, os dois principais Estados em disputa nas próximas prévias, no dia 4 de março. Pressão em famíliaO próprio ex-presidente Bill Clinton, que tem feito campanha em nome da mulher, disse que Hillary precisa vencer nos dois Estados na terça-feira para manter viável sua candidatura. Assessores e aliados da senadora adotam linha de raciocínio semelhante.Uma média das últimas pesquisas de opinião feitas em Ohio, divulgada pelo site RealClearPolitics.com, aponta uma vantagem de Hillary de cinco pontos percentuais sobre Obama (47,3% a 42,3%). Entretanto, a vantagem da senadora sobre o adversário, que já foi bem maior, vem caindo nas pesquisas nas últimas semanas.Duas delas, divulgadas na quinta-feira pelo instituto Rasmussen e pelo instituto Zogby, pela agência de notícias Reuters e pelo canal de TV Cspan, colocam os dois candidatos em empate técnico. No Texas, os dois candidatos também aparecem praticamente empatados - a média do RealClearPolitics.com dá ao candidato uma vantagem de apenas dois pontos percentuais - mas uma pesquisa Zogby/Reuters/Cspan, divulgada também na quinta-feira, dava vantagem de seis pontos para Obama (48% a 42%).Carta fora do baralho?Nos últimos dias, o senador por Illinois aumentou os ataques contra o virtual candidato republicano à Casa Branca, John McCain, reforçando a visão de analistas americanos de que Hillary terá que ter uma vitória convincente na terça-feira para provar que ainda está no páreo.Alheio à adversária, Obama trocou farpas com McCain no tocante à política para o Iraque."Me disseram que o senador Obama fez uma declaração dizendo que, se a Al-Qaeda voltasse ao Iraque depois que ele retirasse (as tropas do país), ele voltaria a enviar tropas se a Al-Qaeda estabelecesse uma base no Iraque", disse McCain na quarta-feira, no Texas."Eu tenho notícias. A Al-Qaeda está no Iraque. Se chama Al-Qaeda no Iraque. Meus amigos, se nós sairmos, eles não estabeleceriam uma base. Eles tomariam um país."Obama respondeu no mesmo dia em um comício em Ohio: "Eu tenho notícias para John McCain. Ele nos levou para uma guerra que nunca deveria ter sido autorizada e nunca deveria ter sido travada, junto com George Bush". Deixada de lado do colóquio, Hillary tem reclamado nos últimos dias também de estar recebendo um tratamento injusto da imprensa - que, segundo ela, favorece Obama.Em uma entrevista à rede de TV americana ABC na quinta-feira à noite, a senadora disse que não faz campanha nas mesmas condições que seu adversário. "Com tanta freqüência eu desejo que o campo de jogo fosse um pouquinho mais igual (dos dois lados). Mas, sabe, eu jogo no campo que for", disse.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.