Holanda pede que Alemanha prenda fugitivo nazista

O governo da Holanda pediu na quarta-feira que a Alemanha prenda um nazista holandês de 89 anos que escapou em 1952 de uma prisão holandesa, onde cumpria prisão perpétua por matar prisioneiros judeus num campo de trânsito nazista.

REUTERS

01 Junho 2011 | 14h37

A Holanda já tentou extraditar o ex-soldado Klaas Carel Faber usando um mandado de prisão europeu -- mecanismo de extradição válido na União Europeia --, mas um tribunal de Munique negou o pedido alegando que Faber agora é cidadão alemão.

O ministro da Justiça holandês, Ivo Opstelten, escreveu ao seu colega alemão na quarta-feira dizendo que, sob as leis europeias, a Alemanha deveria impor a prisão perpétua que Faber cumpria na Holanda.

"O promotor de Munique informou ao Ministério de Justiça holandês que pode requerer o cumprimento da sentença a ser transferida. Opstelten considerou isso um sinal de disposição de implementar a sentença na Alemanha", disse o governo holandês em um comunicado.

Faber foi condenado à morte em 1947 pelo assassinato de ao menos 11 pessoas no campo de Westerbork, na Holanda, um ponto de passagem de judeus holandeses a caminho dos campos de concentração na Alemanha, na Polônia e na Ucrânia.

O irmão dele, que também foi membro da SS holandesa (organização ligada ao partido nazista), foi morto a tiros por um pelotão de fuzilamento depois da guerra, mas a pena de Faber foi mudada para a prisão perpétua. Ele fugiu da prisão e foi para a Alemanha em 1952.

Os esforços holandeses de extraditar Faber foram frustrados pela lei alemã que impede a extradição de cidadãos alemães por crimes de guerra, embora a Alemanha tenha condenado outro nazista holandês, Heinrich Broere, à prisão perpétua em março do ano passado.

(Reportagem da Greg Roumeliotis)

Mais conteúdo sobre:
HOLANDA ALEMANHA NAZISTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.