Homem atira sapato em assassino norueguês durante julgamento

O irmão de uma das vítimas do assassino em massa norueguês Anders Behring Breivik atirou um sapato contra ele no tribunal nesta sexta-feira, na primeira vez que o julgamento que já dura semanas foi interrompido por uma manifestação do público.

VICTORIA KLESTY E JOACHIM DAGENBORG, REUTERS

11 Maio 2012 | 10h31

"Vá para o inferno, vá para o inferno, você matou o meu irmão", gritou o homem da segunda fileira da galeria pública que atirou o sapato em Breivik a poucos metros de distância, de acordo com o jornal VG em seu site.

O sapato não pegou em Breivik, mas atingiu seu advogado, Vibeke Hein Baera, que estava sentado mais próximo da galeria pública, durante a apresentação de um relatório de autópsia.

A polícia descreveu o homem como irmão de uma das vítimas de Breivik, mas o nome não estava imediatamente disponível.

Algumas pessoas na sala do tribunal aplaudiram e falaram "finalmente", enquanto outros começaram a chorar. A pessoa que arremessou o sapato foi removida pela polícia. O contingente policial foi reforçado na corte após o incidente.

"Se alguém quiser jogar alguma coisa, pode jogar em mim quando estiver entrando ou saindo do tribunal," afirmou Breivik, segundo a imprensa local, após o incidente. "Não joguem coisas em meus advogados."

O incidente ocorreu durante uma semana de depoimentos angustiantes de sobreviventes do massacre de Breivik na pequena ilha de Utoeya, em julho do ano passado, onde o Partido Trabalhista realizava um acampamento de jovens. Ele matou 69 pessoas lá, muitos deles adolescentes.

"Nós consideramos isso como uma explosão espontânea emocional que aconteceu no tribunal," disse à Reuters Rune Bjoersvik, oficial encarregado das operações policiais no tribunal.

"Ele (o atirador de sapatos) estava presente no tribunal e tinha se preparado emocionalmente para estar lá, mas as emoções tomaram conta, o que é compreensível. Nós gostaríamos que não tivesse acontecido, mas não consideramos isso uma violação dramática da segurança."

Breivik admitiu os assassinatos, mas nega responsabilidade criminal. Ele diz que estava defendendo a pureza étnica norueguesa da imigração muçulmana e do multiculturalismo apoiado pelo Partido Trabalhista.

Antes do julgamento, uma equipe de psiquiatras nomeada pelo tribunal concluiu que Breivik era psicótico, enquanto uma segunda considerou-o mentalmente capaz.

Breivik disse que deveria ser absolvido ou executado, chamando a perspectiva de uma pena de prisão de "patética" e que uma decisão do tribunal alegando insanidade era "pior do que a morte".

Mais conteúdo sobre:
NORUEGA BREIVIK ATACADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.