Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Homem morre atropelado no Aterro do Flamengo

Cinco motociclistas com garupas, todos sem capacetes, transitavam a mais de 80km/h pela pista, que tem trânsito de veículos proibido aos domingos

Clarice Cudischevitch, O Estado de S. Paulo

01 de setembro de 2013 | 11h56

Atualizado às 18h40.

RIO - Um homem de 65 anos morreu atropelado por uma moto conduzida por um menor na área de lazer do Aterro do Flamengo, uma das mais movimentadas da cidade, na zona sul do Rio, na manhã deste domingo, 1°. Segundo guardas municipais que faziam os bloqueios da região e testemunhas, cinco motociclistas com garupas, todos sem capacetes, transitavam a mais de 80km/h pela pista, que tem trânsito de veículos proibido aos domingos, quando uma das motos atingiu Carlos Augusto Correia. Ele morreu no local.

Quatro menores, incluindo os dois que estavam na moto que causou o atropelamento, foram apreendidos. Os outros dois retornaram ao local do acidente a pé, mas foram identificados pelas pessoas presentes como integrantes do grupo. Eles tentaram fugir, mas os pedestres e guardas municipais seguraram os jovens, que chegaram a ser agredidos por pessoas revoltadas com o incidente. Os dois que provocaram o acidente e um dos que retornaram foram levados ao Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon. O outro foi encaminhado à 12ª DP (Copacabana).

Algumas pessoas presentes no local acreditaram que o episódio se tratou de um arrastão e que os motociclistas teriam roubado pertences de pedestres e ciclistas. No entanto, o comandante do 2º BPM, tenente coronel Alípio de Almeida Bomfim, negou. O ciclista Jonathan Linhares testemunhou a confusão e disse achar difícil que os jovens estivessem tentando praticar assaltos.

"Com a velocidade que eles estavam, era impossível roubar qualquer coisa. Eles estavam visivelmente bêbados e explicaram para a polícia que tinham saído de um baile funk em Rocha Miranda (zona norte do Rio) e estavam indo para a praia. Na mochila deles só tinha biscoitos", relatou. Linhares afirmou que os outros três motociclistas e os respectivos garupas fugiram pelo mesmo sentido que vieram.

Segundo o coordenador de trânsito da Guarda Municipal, Itaharassi Bomfim Junior, os cinco motociclistas já haviam passado por dois bloqueios no Aterro e, deparando-se com os guardas, desistiram de entrar. "Eles chegaram a fazer gestos ameaçadores, simulando apontar armas", conta. Bomfim acredita que, em algum ponto do Flamengo, o grupo subiu pelo canteiro e entrou na pista.

Ele diz que não é possível precisar, no entanto, a distância que percorreram. "Não sabemos se roubaram alguma coisa, mas chamou a nossa atenção o fato de que eles estavam com uma mochila rosa." Um guarda municipal, que estava no bloqueio entre as avenidas Rio Branco e Infante Dom Henrique, viu os motociclistas seguindo pela contramão na Avenida Beira-Mar. "Eles chutaram cones e dois deles, na garupa, filmavam pelo celular."

Falta de policiamento. Moradores da região reclamam que o controle do trânsito e o policiamento no Aterro do Flamengo é precário. "Aos domingos, os acessos para as pistas são fechados às 7 horas, mas às 7h30 ainda tem carro passando", reclamou o ciclista Luiz Antonio de Freitas, frequentador do parque. "Não basta fazer bloqueio com cones, tem que ter agentes também. Falta infraestrutura de lazer."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.