Hominídeo achado na Sibéria atravessou a Ásia

Cientistas americanos analisaram o DNA de um hominídeo descoberto na caverna Denisova, na Sibéria, e encontraram evidências de que a espécie teve descendentes com ancestrais dos atuais habitantes da Melanésia. A descoberta surpreendente porque não há indícios de que os "denisovanos" tiveram relações, há cerca de 30 mil anos, com os ancestrais das populações que hoje vivem na Eurásia. A pesquisa foi publicada na Nature. / AP

, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2010 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.