Hospital da UFRJ interrompe lista de procedimentos

Segundo comunicado divulgado aos funcionários decisão foi tomada a decisão do Ministério da Educação

FELIPE WERNECK, Agencia Estado

13 de maio de 2008 | 20h14

Todos os transplantes de órgãos e tecidos, novas internações, cirurgias eletivas e procedimentos ambulatoriais do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão, zona norte da cidade, foram interrompidos pela direção da unidade.   Segundo comunicado divulgado aos funcionários na segunda-feira, 12, assinado pelo diretor-geral do HUCFF, Alexandre Pinto Cardoso, a decisão foi tomada considerando a Portaria n.º 4 da Subsecretaria de Planejamento e Orçamento do Ministério da Educação, publicada no Diário Oficial da União de 2 de maio, que "altera de modo profundo" o Sistema de Gestão do hospital, "sem apontar novas fontes de recurso para custeio e pessoal".   O objetivo da interrupção, segundo ele, é "preservar e tutelar o compromisso com os pacientes diante do grave desabastecimento do hospital". A decisão tem caráter "temporário", mas não há previsão de quando os procedimentos poderão ser retomados.   Nesta terça-feira, 13, houve uma reunião, em Brasília, de representantes do MEC com Cardoso e outros diretores de hospitais universitários. A assessoria de imprensa do ministério informou que a decisão do diretor seria comentada somente após a reunião, que até o fim da tarde não tinha acabado.   O cirurgião Felipe Victer está no 4.º ano de residência no HUCFF. Ele disse que a equipe "está de braços cruzados". "O diretor está em Brasília para tentar reverter o quadro de crise absoluta. Hoje ainda houve cerca de 20 cirurgias, quando o normal são 50. Amanhã não haverá mais. Existe o risco de o hospital literalmente fechar as portas." Ontem havia cerca de 330 pessoas internadas no HUCFF.

Mais conteúdo sobre:
UFRJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.