Hospital despeja urina radioativa nos esgotos de Paris

Vazamento lançou urina não tratada de pacientes de câncer que passaram por radioterapia.

Daniela Fernandes, BBC

29 de novembro de 2012 | 05h30

Um hospital francês especializado no tratamento do câncer despejou nos esgotos de Paris 14 mil litros de urina radioativa de pacientes internados que fazem radioterapia.

A urina dos pacientes do Instituto de Cancerologia Gustave-Roussy, nos arredores de Paris, deveria ter sido progressivamente descontaminada antes de ser lançada nos esgotos da capital.

Mas houve um vazamento em um dos reservatórios que estocam a urina dos doentes e ela acabou sendo lançada no esgoto antes do processo de descontaminação.

A urina radioativa percorreu dez quilômetros da rede de esgotos de Paris antes de ser enviada a uma estação de tratamento de esgotos na periferia da capital.

Impacto

"Assim que constatamos o vazamento, alertamos a Autoridade de Segurança Nuclear (ASN)", informa o Instituto Gustave-Roussy, em Villejuif, considerado uma referência no tratamento do câncer na França e também na Europa.

A ASN, que investiga o incidente, declarou que a urina continha uma concentração de iodo 131 - elemento radioativo normalmente utilizado em radioterapias de câncers da tireoide - acima do limite autorizado.

Para a autoridade governamental, responsável por prevenir riscos ligados à radioatividade, a urina contaminada não ocasionou um impacto importante em termos de segurança.

"O índice de radioatividade ficou acima dos níveis regulamentares, mas sem registrar perigo", diz a ASN.

'Repetição'

A autoridade classificou o incidente como nível um na escala internacional INES, de gravidade de acidentes nucleares. A escala vai de zero a sete (somente a explosões da central de Chernobyl, na Ucrânia, e de Fukushima-1, no Japão, atingiram até hoje o nível sete).

A ASN afirma que a decisão de classificar o incidente em nível um é devida à "repetição" do problema e ao fato de que o instituto despejou a urina radioativa nos esgotos em vez de procurar soluções alternativas.

Segundo a ASN, o instituto Gustave-Roussy já havia registrado, em 2010, dois incidentes do mesmo tipo, ligados a vazamentos nas canalizações por onde circulam as urinas radioativas.

O hospital se comprometeu a criar um sistema de fiscalização e de gestão dos reservatórios de urina dos pacientes e estudar soluções alternativas de estocagem caso ocorra uma nova falha nos equipamentos.

Enquanto aguarda que o instituto de cancerologia tome providências, a ASN tem outro problema urgente para resolver na área médica: um pacote contendo uma fonte radioativa líquida de fluor 18 para uso hospitalar desapareceu.

O pacote, que deveria ter sido entregue por uma empresa de transportes ao Centro Hospitalar Universitário de Nîmes, no sul da França, sumiu em 19 de novembro durante o trajeto, informou a ASN nesta quarta-feira. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.