Hotéis da BA festejam ampliação de vôos de Congonhas

Estado deixou de receber 15 mil turistas em um mês por causa da decisão, segundo as companhias aéreas

Tiago Décimo, Agencia Estado

09 de novembro de 2007 | 17h50

Os empresários de turismo da Bahia comemoraram a decisão do ministro da Defesa, Nelson Jobim, de ampliar de mil para 1,5 mil quilômetros o raio dos vôos que operam no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, entre 1.º de dezembro e 15 de março. Apesar disso, eles se dizem apreensivos com a instabilidade das decisões governamentais. "Essa postura de primeiro proibir e depois liberar - para, quem sabe, proibir de novo - causa insegurança entre os empresários, que ficam sem saber como se planejar", afirma o gerente-executivo da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira da Bahia (Abih-BA), Luiz Blanc.De acordo com ele, a decisão é benéfica para que as empresas do setor no Estado aproveitem o verão para "fazer caixa" e se preparar para o caso de a proibição voltar a valer depois da alta temporada. A Abih estima que a restrição dos vôos partindo de Congonhas, decisão tomada no mês passado, tenha feito o fluxo de turistas diminuir 30% no Estado. Segundo cálculos das companhias aéreas, a Bahia deixou de receber 15 mil turistas em um mês por causa da decisão - os aeroportos do Estado tiveram redução de 28 vôos diários, 14 partidas e 14 chegadas. Se a restrição fosse mantida na alta temporada, a diminuição do fluxo de turistas poderia chegar a 35 mil por mês. Segundo dados da Secretaria de Turismo da Bahia, 60% dos turistas que chegam à Bahia têm como última procedência São Paulo.   A ministra do Turismo, Marta Suplicy, destacou a importância da decisão. No início de outubro, Marta  conversou com Jobim sobre o impacto que a redução dos vôos regulares e charter tinha para o turismo do Nordeste. "Os novos limites vão facilitar o turismo na alta temporada para Estados agora beneficiados, como Mato Grosso, Tocantins e Bahia. Com essa decisão, também melhoram as ligações com outros destinos turísticos", afirmou Marta.   Matéria ampliada às 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.