Dubai Duty Free/Reuters
Dubai Duty Free/Reuters

Hub: você ainda vai passar por um

Todo grande aeroporto é um hub - o jargão de aviação para "centro de distribuição de voos". Sempre que não existe um voo direto entre o lugar onde estamos e o destino aonde queremos chegar, acabamos usando um hub para fazer conexão.

Ricardo Freire, turista.profissional@grupoestado.com.br,

18 de fevereiro de 2011 | 08h00

 

Alguns aeroportos ao redor do mundo, porém, acabaram se especializando em oferecer conexões convenientes entre os lugares mais disparatados.

 

São aeroportos que servem a companhias aéreas muitíssimo maiores do que os seus mercados locais. Em alguns deles, o volume de passageiros em trânsito é maior do que o número de desembarques como destino final. Há os que se esmeram em se tornar uma atração em si, com free shops e entretenimento que justifiquem o intervalo entre voos. Veja se algum deles pode estar no seu caminho.

 

Cingapura. A Singapore Airlines - que começa a voar para São Paulo em março - foi a primeira companhia aérea de país pequeno a perceber o potencial de se tornar um grande transportador internacional. Por isso investiu para fazer do aeroporto de Chang’i o mais confortável do planeta. Há europeus e australianos que programam suas viagens via Cingapura só para poder usufruir algumas horas de seu terminal. É um hub especialmente indicado para viagens ao Sudeste Asiático, de Bali ao Vietnã. A rota para o Brasil faz uma escala em Barcelona, que pode ser aproveitada na ida ou na volta.

 

Dubai. No quesito aviação, a história de sucesso de Dubai é inteiramente baseada no modelo de Cingapura - mas com aquela pitada de megalomania típica dos Emirados. O aeroporto de Dubai é um imenso shopping center de artigos de grife; as compras sempre valem cupons para concorrer a sorteios de carros de luxo. A abertura da rota direta a São Paulo (são 14 horas de voo) tornou Índia, Sri Lanka e Maldivas muito mais próximos - e passou a oferecer boas alternativas para chegar ao Oriente Médio, China, Austrália e Japão.

 

Cidade do Panamá. O padrão se repete: um país pequeno, um mercado interno restrito, uma companhia aérea eficiente - no caso, a Copa Airlines (que tem acordo operacional com a americana Continental): pronto, estão reunidas as condições para um grande hub. Autointitulado "hub das Américas", o terminal da Cidade do Panamá atua como elo entre os destinos da Copa na América do Sul, América Central e Caribe. Depois de São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Manaus, agora Porto Alegre e Brasília ficarão mais perto de destinos como Cancún, Havana e San Andrés.

 

Campinas. Nos Estados Unidos, a JetBlue - modelo para a brasileira Azul - faz apenas rotas bate-volta, sem conexões envolvidas. Para se adaptar às peculiaridades do mercado brasileiro, porém, a Azul acabou fazendo de Viracopos um hub que torna práticas rotas como Florianópolis-Goiânia, Porto Alegre-Vitória ou Joinville-Recife sem passar pelos saturados Congonhas ou Cumbica. O movimento do aeroporto cresceu tanto que acabou atraindo mais voos da concorrência - e, recentemente, três frequências semanais da TAP a Lisboa.

 

Lisboa. Combinando sua malha europeia com as rotas a nove cidades brasileiras, a TAP fez de Lisboa o mais importante hub para voos entre a Europa e o Brasil. Hoje Lisboa é o caminho mais curto para um sueco chegar a Recife, ou um belo-horizontino viajar a Veneza. Cada nova adição de destino - Moscou, Casablanca, Atenas - inaugura um atalho para quem sai do Brasil (ou quer vir para cá). Intervalos apertados de conexão são facilitados pelo sistema que "pesca" na fila da imigração passageiros dos voos prestes a fechar.

 

Lima. Está sendo usada pela Lan como escala para levar argentinos, brasileiros e chilenos a destinos como Cancún, São Francisco e Punta Cana. E, num movimento bastante original, lançou voos diretos de lá à Ilha de Páscoa e a Foz do Iguaçu, para servir aos estrangeiros que queiram fazer o circuito das maravilhas da América do Sul. Sua concorrente Taca é especialista em América Central, mas também leva à costa oeste dos Estados Unidos - e está investindo em novos destinos no Cone Sul, como Porto Alegre e Montevidéu.

 

Charlotte. De todos os destinos americanos com voos diretos do Brasil (os outros são Miami, Nova York, Chicago, Dallas, Houston, Atlanta, Washington e Los Angeles), a cidade da Carolina do Norte é a única que não tem atrativos turísticos ou comerciais. Em compensação, oferece os preços em conta da US Airways e conexões mais rápidas do que a média, já que o voo vindo do Rio de Janeiro é o primeiro do dia (e o único do seu horário), o que faz diminuir a fila da imigração. Aproveite para desembarcar em Nova York num aeroporto mais próximo, como LaGuardia.

 

Helsinque. O aeroporto da capital finlandesa é o primeiro do Ocidente a ter toda a sua sinalização em mandarim, japonês e coreano. Isso porque a Finnair está investindo nos destinos do extremo oriente, aproveitando que a curvatura da terra na sua latitude deixa a rota mais curta. Lembre-se disso da próxima vez que estiver nas redondezas da Escandinávia...

  

Internet para viagem

 

O blog do mineiro Rodrigo Purisch continua o melhor endereço na internet para o passageiro entender sobre companhias aéreas, programas de milhagem e cartões de crédito. A elite dos comentaristas é tão bem informada quanto o blogueiro e compartilha achados, pegadinhas e roubadas

 

 

Dossiê

Aeroportos pertinho do hotel

Comandatuba

Os jatos pousam praticamente no quintal do resort Transamérica Ilha de Comandatuba. A pista de pouso, localizada no continente, está a poucos passos do píer de onde se atravessa para a ilha. Não há esteira: a identificação de bagagens é feita no lobby do hotel.

 

Recife

Caso você se hospede em Boa Viagem - o bairro praiano que concentra grande parte da rede hoteleira recifense -, você só levará mais de dez minutos até o hotel caso o trânsito esteja num dia daqueles. (Já se o seu destino for Porto de Galinhas, não espere ver a areia antes de uma hora).

 

Aeroparque, Buenos Aires

É o equivalente portenho de Congonhas, o aeroporto mais central. Odiado por quem faz questão de passar no free shop de Ezeiza (a uma hora de viagem), o Aeroparque está a meros 12 minutos de táxi do Centro ou da Recoleta, pela via expressa (menos ainda de Palermo).

 

Fernando de Noronha

A maioria não aproveita a proximidade do aeroporto, já que o transfer leva um tempão para distribuir os hóspedes entre as pousadas (isso quando não há uma palestra para vender passeios antes). O melhor a se fazer, então, é descobrir antes de embarcar qual será a sua pousada e pedir para eles mandarem um táxi buscar você.

  

Bella Prolli

Não sai de casa sem as crianças. Mas também não fica em casa com elas

 

"Só existe algo mais difícil do que imaginar como é que se voava com crianças antes da invenção do vídeo portátil e dos games: é imaginar por que tem gente que não leva essas coisas a bordo para entreter os pimpolhos? Experimentem, mamães e papais! Com o tal videozinho é outra viagem!"

 

Veja também:

linkPrepare a lista do free shop

linkSobre o lar de um viajante

link Os bastidores, nos mínimos detalhes

blog Blog. Dicas e bastidores das viagens da nossa equipe

blog Twitter. Notícias em tempo real do mundo turístico

 

Tudo o que sabemos sobre:
Ricardo Freireviagemaeroportohub

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.