Hypermarcas deve fechar venda de 2 marcas à Flora, do JBS--fonte

A Hypermarcas está negociando a venda das marcas Assim (de produtos de limpeza) e Mat Inset (de inseticidas) à Flora, integrante da holding J&F, dos donos do grupo JBS, segundo uma fonte próxima à companhia afirmou à Reuters nesta quarta-feira.

VIVIAN PEREIRA, REUTERS

19 Outubro 2011 | 14h52

De acordo com a fonte, embora ainda não haja um acordo firmado, as negociações estão em estágio final e podem ser concluídas ainda nesta quarta-feira.

A Hypermarcas, que anunciou recentemente a estratégia de se desfazer dos ativos de alimentos e limpeza para focar suas operações nos segmentos de higiene pessoal e medicamentos, tem atualmente quatro marcas à venda: Assolan --considerada a mais valiosa no portfólio de produtos de limpeza--, Etti (alimentos), além de Assim e Mat Inset, avaliadas em cerca de 600 milhões de reais, segundo a fonte.

"Assolan é a 'joia da coroa' e a disputa está muito acirrada", disse a fonte.

Além da Flora, outras três empresas estariam na disputa pela Assolan: a britânica Reckitt Benckiser, a Química Amparo e a Ceras Johnson. "Para a Flora, interessa levar o pacote todo", acrescentou.

A Hypermarcas se tornou a maior empresa brasileira de bens de consumo não duráveis após comprar dezenas de marcas conhecidas nos segmentos de saúde, beleza, alimentos e limpeza. A companhia, entretanto, desembolsou elevadas quantias com marketing para dar visibilidade às marcas adquiridas.

Em meados de agosto, após ter seus números do segundo trimestre pressionados pelo cenário econômico e por despesas, a empresa reduziu sua estimativa de geração de caixa em 2011, de acima de 1 bilhão de reais para cerca de 900 milhões de reais.

Na ocasião, a Hypermarcas também afirmou que não realizaria novas aquisições buscando priorizar a consolidação e estabilização dos negócios adquiridos até o começo de 2011.

A ação da Hypermarcas na bolsa paulista subia 3,33 por cento às 14h45, a 9,63 reais, contra variação negativa de 0,1 por cento do Ibovespa. O papel da Hypermarcas acumula queda perto de 60 por cento no ano, sendo o mais desvalorizado na carteira teórica que reúne as principais ações brasileiras.

Mais conteúdo sobre:
CONSUMOHYPERMARCASVENDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.